Postado por: Safira Andrade

Título: Querido Menino

Autor: David Sheff

Editora: Globo Livros 

Páginas: 366

Gênero: Baseado em história Real

Onde adquirir: Amazon

Sinopse: Em Querido Menino, o jornalista David Sheff relata a angústia e a luta pela sobrevivência de seu filho mais velho, dependente de metanfetamina. Antes um garoto encantador, atleta e estudante dedicado, Nic se transforma em um fantasma trêmulo que mente, rouba e vive nas ruas.

Com seu instinto de jornalista, o pai pesquisa compulsivamente tudo que está ao seu alcance sobre drogas, os motivos que levam os jovens à dependência e os tratamentos que podem salvar seu filho. Entretanto, não há respostas definitivas, só alternativas – uma batalha incerta que Sheff compartilha de forma comovente e sincera. Querido Menino é o relato emocionante de um pai que sofre com o drama do filho – sem nunca desistir dele.

Quando Nic nasce, seu pai, David, se enche de alegria. A cada nova conquista, ele se alegra por seu filho ser tão bom, tão inteligente e dedicado. Se separando quando o filho ainda é criança, ele se casa novamente com Karen, seu filho se apega à madrasta. Os três vivem uma relação familiar invejável. Assim que os filhos desse novo matrimônio nascem (Jasper e Daisy), a casa se transforma em uma festa. Com fim da adolescência, Nic passa a ter comportamentos agressivos, que para seus pais são inexplicáveis, já que todo apoio, suporte e amor lhe foi dado.

David é um pai atencioso, carinhoso e amigo. Diferente de alguns, ele conversa e escuta seu filho, ele quer ser presente, amigo e pai. Ele sofre quando está longe de Nic, quando não entende suas decisões autodestrutivas, quando não reconhece o filho. Porque os dois são um para o outro aquilo que sempre dizem quando se despedem: Tudo.

O Trabalho editorial foi feito pelo Grupo Globo. A capa tem um toque aveludado, agradável ao toque. As páginas são grandes e amareladas, e a fonte um pouco pequena comparada ao tamanho da página. Por ter 366 páginas, somadas as características anteriores, apresenta bastante conteúdo. A tradução feita por Helena Londres foi muito atenciosa, de forma que expressões americanas e seus significados foram mantidos, dando mais sentido à narração.

“Na tradiçao de uma longa lista de vários beberrões famosos e infames e seus cronistas, até as ressacas e experiências de quase morte, com visitas a salas de emergência, podem ser contadas para parecerem glamurosas. Porém, em geral, os contadores das histórias omitem a lenta degeneração, o trauma psicológico e, finalmente, as vítimas.” Página 100

A princípio, as primeiras 80 páginas, o livro parece ser a narração de um documentário, bem descritivo e de leitura cansativa. Logo depois desses capítulos, em que David conta ao leitor sobre a infância e adolescência de seu filho, tentando de explicar o caminho que Nic traçou em direção a sua dependência química, tudo se encaixa.

O livro tem cinco partes, a segunda é mais curta, mas também a mais esclarecedora, diria que é a ligação entre todas as partes: Quando um pai acha que, por ter feito as mesmas coisas quando era mais jovem, seu filho está passando por uma fase, e quando ele vê que pode ter sido compreensivo demais para entender que seu filho precisava de ajuda antes do que gostaria de aceitar.

A obra é muito informativa a respeito do uso de drogas, mas é mais focada no uso da metanfetamina, contando a história de como a droga passou de avanço histórico para a indústria farmacêutica, para grande preocupação estadunidense, quando se refere ao vício.

Durante o livro, David fala sobre sua adolescência, quando foi um usuário de drogas “mais consciente que seus amigos”, quando estas estavam no auge, por volta dos anos 60 a 70. Cita experiências que teve em suas “viagens”, como lidava com isso e os exageros de seu amigo mais próximo, Charles, que morreu por uso de metanfetamina e várias outras drogas. Por isso, há várias vezes certa comparação entre os dois, o que ajuda a entender a preocupação de David com seu filho, ele não quer que a história se repita.

“Enquanto você está crescendo, sempre que precisar de mim – para conversar ou para seja lá o que for -, agora poderei lhe ajudar. Isso é uma coisa que nunca pude prometer antes. Estarei presente para você.” Trecho da carta de Nic para Jasper, página 253.

A história contada é de discussão extremamente importante, e leva a repensar como o mundo tem tratado o uso de drogas legais e ilegais. Em um capítulo, David chega a questionar as atitudes de um médico, dizendo que se ele receita tantos remédios fortes, não sabe o que o difere de um traficante. Além disso, a forma como um pai se recusa a abandonar seu filho e faz de tudo para ajuda-lo é profundamente tocante. A leitura é indicada para todos aqueles interessados a entender como um vício pode interferir no ambiente em que o dependente vive.

Com os relatos íntimos dos sentimentos de um pai sobre a doença de seu filho, somados ao conhecimento de que a história é real, fazem a experiência da leitura fascinante. É um livro que exige muita persistência, pesquisa para os termos mais complexos e muita compreensão. Esse último, pois é difícil ler esse livro e não tomar as dores das pessoas cujas histórias estão sendo contadas. O livro pode ser classificado ao mesmo tempo como angustiante e fantástico.

Vale lembrar que uma adaptação cinematográfica e outro livro, de leitura complementar, também existem. O filme foi lançado em 2019, de mesmo título do livro, mas que também é baseado em outra obra, Cristal na Veia (Em inglês: Tweak, uma gíria estadunidense que significa, basicamente, estar sob o efeito de metanfetamina), que é o ponto de vista de Nic sobre sua dependência.

Desencaixados - 2020 | Alguns direitos reservados