RESENHA: Quinze Dias
03 jul

RESENHA: Quinze Dias

Notícias, Resenhas

Victor Tadeu

Título: Quinze Dias
Autor: Vitor Martins
Editora: Globo Alt
Gênero: Ficção/LGBT
Número de páginas: 208
SKOOB

Adquira aqui: Amazon

Sinopse: Felipe está esperando por esse momento desde que as aulas começaram: o início das férias de julho. Finalmente ele vai poder passar alguns dias longe da escola e dos colegas que o maltratam. Os planos envolvem se afundar nos episódios atrasados de suas séries favoritas, colocar a leitura em dia e aprender com tutoriais no YouTube coisas novas que ele nunca vai colocar em prática.

Mas as coisas fogem um pouco do controle quando a mãe de Felipe informa que concordou em hospedar Caio, o vizinho do 57, por longos quinze dias, enquanto os pais dele estão viajando. Felipe entra em desespero porque a) Caio foi sua primeira paixãozinha na infância (e existe uma grande possibilidade dessa paixão não ter passado até hoje) e b) Felipe coleciona uma lista infinita de inseguranças e não tem a menor ideia de como interagir com o vizinho.

Os dias que prometiam paz, tranquilidade e maratonas épicas de Netflix acabam trazendo um turbilhão de sentimentos, que obrigarão Felipe a mergulhar em todas as questões mal resolvidas que ele tem consigo mesmo.

Felipe é um jovem que sofre bullying constantemente na escola, como qualquer outro adolescente ele está muito animado para as férias, até mesmo desenvolveu um planejamento para aproveitar o máximo possível. A ideia era colocar suas séries em dias, se livrar de qualquer situação constrangedora e esquecer do ambiente perturbador que é obrigado frequentar.

Toda especulação do jovem em relação às metas de férias acabam quando ele descobre que Caio, o vizinho do n° 57, ficará por quinze dias em sua casa. Isso aconteceu pois seus pais super protetores não confiam no menino sozinho, portanto, a mãe de Felipe não recusou o pedido e de forma inesperada avisou seu filho em poucos minutos dele chegar do último dia de aula.

Devido o passado de infância entre eles, tudo é possível acontecer — de situações boas até as ruins — e de forma totalmente sufocante, Felipe precisa deixar sua lista de lado para possivelmente resolver alguns problemas pendentes com Caio. Totalmente sem opções, a tranquilidade do protagonista vai embora, dividido-o entre diversos sentimentos.

“As gargalhadas são a pior parte. O riso tem um som desesperador quando o motivo da piada é você.” (página 30)

Quinze Dias, escrito por Vitor Martins, foi o livro de estreia do autor lançado em 2017 pela Globo Alt. Esse é um título que gira em torno de dois adolescentes compartilhando os seus dramas e aprendendo um com o outro, porém acaba sendo ainda mais interessante devido os assuntos aprofundados durante as páginas.

Atualmente a diversidade está sendo abraçada por diversos meios de entretenimento, mas há alguns anos esse era um grande tabu enfrentando dentro da sociedade, onde a representatividade sempre ficava de limbo. Quebrando essa barreira dentro do mercado editorial, Vitor Martins escreveu uma história LGBT que acaba sendo ainda mais impactante ao construir um personagem homossexual e gordo.

O livro não é somente sobre questões da comunidade LGBT, principalmente por carregar Felipe como protagonista, consequentemente fazendo o leitor acompanhar seus pensamentos e momentos de dores. Por ser um homem gordo, o personagem fica o tempo inteiro tentando se limitar devido a opressão sofrida dentro e fora da escola, isso é ainda mais preocupante pois atinge a sua autoestima e socialização. A forma como a gordofobia é trabalhada acaba sendo muito destacada em Quinze Dias, deixando a leitura ainda mais necessária para sociedade em que vivemos.

Mesmo com diversos momento oportunos para fazer críticas sociais, o autor optou por trazer uma mensagem muito importante com todo o desenvolvimento deste livro, principalmente ao apresentar os personagens secundários e outros um pouco distantes. Cada integrante deste enredo consegue ter seu momento de importância levando alguns aprendizados ao leitor, um fator exclusivamente ideal para a história não ser superficial.

“A coisa fica ainda pior quando as pessoas deixam de falar e começam a fazer coisas contra você. Pra te diminuir. Pra te destruir.” (página 123)

Vitor Martins soube trabalhar de forma excelente ao apresentar dois personagens com gostos comuns, eles carregam realidades um pouco similares e, ao mesmo tempo, bastante distantes. Felipe se remedia o tempo inteiro devido o seu físico e isso é muito perturbador. Por outro lado, Caio é o oposto, mas sofre devido a limitação e pensamento retrogrado da mãe, e em nenhum momento o autor diminuiu uma dor para justificar a outra, muito pelo contrário, demonstrou que pessoas contém problemas diferentes e nenhum deve ser comparado com o outro, e sim respeitado. Essa preocupação do escritor em apresentar personagens próximos da realidade trouxe um impacto necessário para dentro da história, deixando ela ainda mais interessante.

Desde o início da história a escrita de Vitor Martins é engajada, de forma simples e com um vocabulário atualizado para os personagens, ele conseguiu deixar o enredo ainda mais instigante, inclusive isso também é bem destacado em Um Milhão de Finais Felizes, seu segundo livro. O modo como trabalhou nos pensamentos de Felipe é incrível, pois diante de diversos relatos acaba sendo próximo da vivência de pessoas gordas. Porém por tratar de um drama adolescente alguns momentos são previsíveis, mas conseguem ser surpreendentes e arrancar sentimentos nos leitores.

O trabalho editorial da Globo Alt com esta obra é muito simples e, ao mesmo tempo, muito fofa. O trabalho de capa foi realizado pelo próprio autor, as cores utilizadas e a ilustração é incrível, a diagramação é muito confortável aos olhos e a divisão de capítulos ajuda muito no ritmo da leitura. Com materiais de qualidade a casa editorial soube desenvolver mais um título excelente para o catálogo.

Quinze Dias é um livro encantador, essa é uma das histórias que procuramos ler devagar para aproveitar o máximo possível, consequentemente não querendo finalizar de tão boa que é. Com assuntos importantes, necessários e reais, o título acaba sendo uma leitura que vai te comover em diversos momentos e de formas diferentes.

Comentários