Postado por: Victor Tadeu

Título: Ricos de Amor
Título original: Ricos de Amor
Data de lançamento: 30 de abril de 2020 (Netflix)
Duração: 1h 45min
Direção: Bruno Garotti
Gênero: Comédia Romântica
Nacionalidade: Brasil

Sinopse: Em Ricos de Amor, Teto (Danilo Mesquita) é filho do riquíssimo Teodoro (Ernani Moraes), conhecido como “O Rei do Tomate”. O rapaz, que em breve herdará a bem sucedida fábrica de tomates do pai, percebe sua vida se tornando um grande rebuliço quando conhece Paula (Giovanna Lancellotti), uma jovem decidida que estuda para ser médica e não vê a hora de se tornar independente. Com medo da reação da garota, Teto esconde suas raízes e finge ter origem humilde. Porém, essa mentira inicia um espiral de desentendimentos.

Ser privilegiado muitas das vezes é não conseguir visualizar a realidade do próximo e acreditar que todos precisam seguir suas vontades, seja na base da obrigação ou manipulação. Esse é o caso de Teto (Danilo Mesquita), um menino extremamente mimado pelo seu pai, Tancredo (Ernani Moraes), rico por ser dono de uma empresa de tomate.

Porém, as condições do play boy começam mudar quando perde seus benefícios e se apaixona por uma garota que vai contra sua realidade, consequentemente assumindo outra identidade que pode comprometer sua vida.

Ricos de Amor, dirigido por Bruno Garotti (Cinderela POP), é uma comédia romântica lançada originalmente pela Netflix. No elenco acompanhamos Giovanna Lancellotti, Danilo Mesquita, Ernani Moraes e outros atores incríveis que conseguem carregar o enredo durante as cenas.

Antes de tudo precisamos reforçar que clichê não é sinônimo de ruim, e esse filme está longe de ser ruim, mas também não está perto de ser um dos melhores. Com pontas soltas, personagens apaixonantes, uma fotografia hipnotizante e erros com contradição, a produção consegue entregar algo interessante.

Na tentativa de inverter os papéis e colocar um homem privilegiado no mesmo nível que todos os outros, Ricos de Amor consegue estabelecer uma comédia ao mostrar Teto passando por situações fora da sua zona de conforto. Só que, isso acaba perdendo um pouco da graça quando algumas cenas extrapolam a essência dos personagens e torna o enredo um tanto contraditório, isso é nitidamente visto em Paula (Giovanna Lancelotti).

Uma das grandes surpresas de Ricos de Amor, é a atuação de Lellezinha vivendo Monique, uma ex-funcionária da empresa de tomate. Levantando um humor bastante responsável e carregando o compromisso de apresentar a realidade de muitas mulheres periféricas, a atriz consegue se destacar com sua personagem, sendo uma das melhores atuações de todo o longa-metragem e demonstra que seu talento não está somente na dança.

A direção de Bruno Garotti segue uma fórmula muito conhecida e bastante batida dentro das comédias românticas, onde um casal é formado, passam por desavenças, reatam e depois vivem o “tão felizes para sempre” que acaba tornando o filme duvidoso, principalmente devido as primeiras cenas e como isso é destrinchado ao longo da narrativa. A troca de identidade é outro momento marcante dos clichês de comédias, porém o diretor consegue manter a essência da história, por mais que alguns momentos sejam longe de uma possível realidade.

Por outro lado, a produção do longa-metragem se destaca muito com a trilha sonora e com a fotografia incrível. Porém, comete o grande erro de querer explorar diversos assuntos como assédio em ambiente de trabalho, privilégios, desigualdade social e entre outros, que acabam se atropelando de tantos que são, infelizmente podendo prejudicar a compreensão daqueles mais leigos.

Ricos de Amor é um filme carismático e que conquista o público gradativamente com sua comédia romântica. O título acaba não sendo excepcional com as críticas sociais, mas encanta com toda a ideia tentada passar por Bruno Garotti e, além disso, acaba sendo uma ótima opção para assistir sem muitas pretensões.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Desencaixados - 2020 | Alguns direitos reservados