Postado por: Victor Tadeu

Título: Arquipélago do Mistério
Autora: Ana Luisa Ricardo
Editora: Resistência
Gênero: Drama
Número de páginas: 46
Onde adquirir: Amazon

Sinopse: Ash queria ser, sem rótulos ou checklists. Não “ele” ou “ela”. Apenas Ash. Mas o mundo, constantemente, se incomodava com isso, oprimindo seu verdadeiro Eu e obrigando Ash a caber dentro de um molde social.
Depois de tanto tempo ouvindo quem era ou deveria ser; depois de sofrer perseguições na escola e em casa; depois de não saber lidar com o sentimento que crescia em seu coração, Ash começou a duvidar de si e a fazer uma pergunta recorrente: Quem sou eu?
Um mergulho no mar, um arquipélago misterioso e um mapa foram os elementos necessários para que Ash descobrisse, através de uma viagem fantástica, a resposta para esse questionamento existencial que rondava seus pensamentos mais profundos.

Gatilho: Pensamentos suicidas

Ash, uma pessoa não-binária, está cada vez mais sofrendo fisicamente, mentalmente e verbalmente devido os diversos padrões impostos pela sociedade em relação aos gêneros; onde mulheres e homens precisam vestir, se comportar e entre uma série de outras características que foram moldadas pela sociedade. Só que, Ash incomoda muitas pessoas ao não se incluir nesses “requisitos” e se machuca por isso..

Infelizmente toda pressão partida por seus familiares e conhecidos acaba desenvolvendo uma crise existencial, principalmente após uma situação totalmente constrangedora e revoltando que havia passado há pouco tempo.

Tentando se encontrar e questionando constantemente essa ideia de se enquadrar nas imposições sociais, Ash é convidada para fazer uma viagem fantástica, viagem essa responsável por uma lição de autoconhecimento e responsável por grandes reviravoltas em sua vida.

“O mundo era limitado demais para as almas humanas.”

Arquipélago do Mistério, escrito por Ana Luisa Ricardo, é o quinto livro do projeto Todas as Letras do Arco-Íris, uma organização de Maria Freitas, publicado pela Editora Resistência. Nesse enredo acompanhamos a história de uma pessoa não-binária, o que é muito raro encontrar em títulos literários no Brasil.

Uma pessoa não-binária, é aquela que não se identifica totalmente com o gênero feminino e nem com o masculino, além disso, suas formas de expressar também “pertence” à nenhum dos dois. Os não-binários também são muito esquecidos dentro do movimento, um problema também sofrido por pessoas trans, então mesmo que essa história não seja somente sobre o não-binariedade existe um grande poder de inclusão e representatividade, uma necessidade muito importante.

Como mencionado, o livro tem um grande compromisso em narrar a história de uma pessoa não-binária, mas seu destaque não consegue ser dividido, muito pelo contrário, é uma composição de ideias geniais que torna a leitura incrivelmente marcante. Por ser não-binária, Ash se questiona muito se o erro é totalmente seu. Isso acontece até o convite para o Arquipélago do Mistério, uma viagem que desenvolve grandes práticas de autoconhecimento, trazendo alusão que todos os mistérios de sua vida não são problemas, como a sociedade taxa, são singularidades que todos os seres humanos carregam, mas infelizmente acabam sendo mascaradas ao se tornarem iguais por se submeterem à padrões.

Apesar de ser uma obra curta, existem momentos que refletem na realidade de muitas pessoas, como a ocorrência de bullying narrada pela escritora, onde os educadores procuram amenizar a situação sem saber o que de fato aconteceu, deixando o sofrimento de Ash completamente de lado, uma irresponsabilidade muito presente em ambientes escolares, gerando uma revolta no leitor e mais decepções na vítima.

“Sou diferente de todo mundo que conheço. Não sei quem sou, nem o que faço aqui. E não sei como mudar isso. Não como me encaixar. Eu sou um erro.”

Os personagens criados por Ana Luisa Ricardo são importantes para todo o destino desse enredo, principalmente Ash, várias vezes são expostas as formas que encontrava para acabar com o seu sofrimento, sempre voltada para suicídio, porém isso é resultado de toda repressão sofrida durante muito tempo. Além disso, os outros personagens também são fundamentais para o destino que a história toma, como a presença de fanático religioso, invasores de privacidade, educadores irresponsáveis e pessoas que amam Ash sem nenhum problema, até porque ser não-binário não é um problema.

A autora tem uma escrita excelente, para ser mais honesto, sua escrita é muito inteligente, algumas das vezes usando regras gramaticais para explicar como podemos estar enganados sobre o gênero do próximo. Ana Luisa Ricardo procura trazer os principais detalhes nos capítulos, fazendo de tudo para torna o enredo interessante, fugindo completamente de uma leitura entediante, porém é possível que algumas pessoas — principalmente quem não tem muito conhecimento sobre não-binário — podem sentir um pouco perdida no começo, o que se resolve com o ler das páginas.




A Editora Resistência realizou um trabalho incrível com esse projeto, todos os títulos foram incrivelmente bem editados e esse não é uma exceção. A capa desenvolvida por Maria Freitas diz muito sobre a história, porém temos essa noção somente durante a leitura, além disso, a diagramação segue com o padrão dos eBooks da Amazon e a revisão está impecável, colaborando para uma leitura gostosa.

Arquipélago do Mistério, escrito por Ana Luisa Ricardo, é um livro que conversa bastante sobre os massacrantes padrões sociais e a importância de práticas de autoconhecimento, mas claro, tudo sob a perspectiva de uma pessoa não-binária.

Desencaixados - 2020 | Alguns direitos reservados