RESENHA: Veneno
10 mar

RESENHA: Veneno

Resenhas

Victor Tadeu

Título: Veneno
Autora: Sarah Pinborough
Editora: Única Editora
Gênero: Fantasia/Ficção
Número de páginas: 224
SKOOB l GOODREADS

Adquira aqui: Submarino l Amazon l Saraiva

Sinopse: Sexy, sarcástico e de prender a respiração!
Para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, Veneno é a prova de que contos de fadas são para adultos! Não existe ‘Felizes para sempre’!
Você já pensou que uma rainha má tem seus motivos para agir como tal? E que princesas podem ser extremamente mimadas? E que príncipes não são encantados e reinos distantes também têm problemas reais? Então este livro é para você! Em Veneno, a autora Sarah Pinborough reconta a história de Branca de Neve de maneira sarcástica, madura e sem rodeios. Todos os personagens que nos cativaram por anos estão lá, mas seriam eles tão tolos quanto aparentam? Acompanhe a história de Branca de Neve e seu embate com a Rainha, sua madrasta. Você vai entender por que nem todos são só bons ou maus e que talvez o que seria ‘um final feliz’ pode se tornar o pior dos pesadelos!
Veneno é o primeiro livro da trilogia Encantadas, e já é um best-seller inglês. Sarah Pinborough coloca os contos de fadas de ponta-cabeça e narra histórias surpreendentes que a Disney jamais ousaria contar. Com um realismo cínico e cenas fortes, o leitor será levado a questionar, finalmente, quem são os mocinhos e quem são os vilões dos livros de fantasia!

Veneno o primeiro livro da Saga Encantadas conta a história de Branca de Neve. Nela somos apresentados Branca de Neve e sua madrasta Lilith, a trama das duas é a mesma que aprendemos em contos, mas é claro, vamos encontrar grandes diferenças. Não contente com o jeito que Branca de Neve leva a vida, a madrasta resolve ensiná-la como uma pessoa da alta sociedade deve se comportar, mas o que ela não esperava era a audácia de Branca ao recusar o convite e forçá-la despertar o seu lado cruel.

Fugindo totalmente dos padrões de princesas, Branca de Neve consegue irritar sua madrasta com o jeito de vestir, e claro, com a sua beleza. As roupas largas que a princesa adorava usar para cavalgar tirava a infeliz rainha do sério e aproveitando a ausência do rei ela resolve ensinar Branca de Neve da pior forma possível como se vestir, como se comportar e como não agir como um “menino”.

Se você está com vontade de fazer a leitura dessa obra achando que vai encontrar uma história feliz, repleta de amor e com um final feliz, eu te recomendo agora mesmo fazer a leitura dessa resenha e acabar com suas expectativas. Em Veneno você vai conhecer uma madrasta/rainha aproveitadora, um rei acomodado e uma princesa inocente em apuros — ela não é clichê. Além disso, você vai se deparar com personagens de outras fábulas fazendo parte e complementando essa história.

O cenário caótico foi bem construído e as palavras utilizadas colaboraram muito com o ar sombrio da história. Os personagens com participações secundárias foram bastantes importantes e a aprofundação na vida de cada um deles foram de grande importância. Achei muito válido e curioso a forma que a autora explicou o porquê dos anões não terem esposas e o fato de só existir anões homens. Eu nunca tinha reparado nisso e nunca passou pela minha cabeça que o motivo seria aquele que foi explicado no livro.

Não só os anões, mas a Branca de Neve também foi um grande ponto positivo para essa história. Eu já fiz a leitura do segundo livro da obra (Feitiço) e tenho uma pequena impressão que a autora teve a intenção de fazer grandes críticas sociais ao escrever essa saga. Branca de Neve é uma princesa totalmente fora dos padrões, isso é um ponto extremamente positivo, pois a perfeição não existe e muitas pessoas olham para as princesas como uma pessoa feliz e totalmente perfeita. Mas a maravilhosa e destruidora de padrões, Branca de Neve, foi criada para nos ensinar que princesa pode usar roupas largas, que princesa pode cavalgar em cavalos bravos, que princesa pode ajudar o próximo e, além disso, que princesa pode conviver com homens. Ou seja, você mulher, princesa da sociedade, você é livre para fazer o que você quiser, você não deve seguir padrões de beleza, você não deve seguir nenhum padrão criado pela sociedade, você deve seguir apenas a sua felicidade. Um dos personagens que me incomodou amargamente, mas que colaborou muito com essa visão da Branca de Neve, foi o príncipe machista, eu até diria os motivos dele ser machista, mas não quero soltar spoiler e estragar a leitura de vocês.

Posso dizer que os livros da saga tem uma certa ligação, mas não irei dizer quem é que faz essa ligação. Como é dito na contracapa do livro, a história é uma boa indicação para os fãs de Once Opon a Time e Grimm, que são duas séries com essa mesma pegada de contos de fadas com uma adaptação adulta, contendo uma visão diferente e que de costume acaba unindo os personagens. Então para um bom entendedor uma referência já é o bastante para reconhecer determinado personagem.

Uma coisa que me incomodou durante a leitura, foi a tradução. Sinceramente, acho que a editora poderia fazer uma revisão de tradução, pois encontrei “mas” sem ser acompanhado por vírgula, senti que em alguns trechos deveria ter o uso da vírgula para a frase fazer sentido e entre outros pequenos detalhes que pode incomodar algumas pessoas. Mas é como eu disse, só me incomodou, não fez com que eu desistisse da leitura em nenhum momento.

Eu tenho o livro em edição econômica, ou seja, a capa é mole, não tem orelha de informações e as páginas são brancas. Vou aproveitar essa resenha e fazer uma confissão: eu tenho essa saga desde o ano passado e nunca tive o interesse em ler pelo simples fato de ser uma edição econômica, é isso mesmo que você está deduzindo, eu tinha preconceito com edição econômica, mas eu tenho o prazer em dizer que isso já foi quebrado, pois amei fazer a leitura do livro nessa edição, a fonte e o tamanho dela é confortável aos olhos, o espaçamento é maravilhoso e tudo colabora para uma leitura rápida e prazerosa.

A própria autora disse que o livro é uma boa obra para os fãs de Once Upon a Time e Grimm, mas quero complementar a recomendação dela. Eu, Victor Tadeu, fundador e diretor do Desencaixados recomendo a obra para quem tem a curiosidade em conhecer o lado obscuro das pessoas “boas”, recomendo para você que tem vontade de conhecer uma história inovadora e para todos aqueles que são fãs de contos de fadas e tem o desejo de conhecer uma história contada por outra visão. Por outro lado não recomendo para pessoas muito novas, pois o livro tem cena de sexo — por sinal é bem detalhado — e, além disso, durante a leitura os personagens soltam palavrões. Enfim, é um livro que dei nota 4 no Skoob pela tradução e alguns erros, se não fosse isso daria 5 e favoritava.

Comentários