RESENHA: Se A Rua Beale Falasse
10 maio

RESENHA: Se A Rua Beale Falasse

Notícias, Resenhas

Amanda Barros

Título: Se a Rua Beale Falasse
Autor: James Baldwin
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Ficção
Número de páginas: 224
SKOOB

Adquira aqui: Amazon

Sinopse: Lançado em 1974, o quinto romance de James Baldwin narra os esforços de Tish para provar a inocência de Fonny, seu noivo, preso injustamente. Livro que inspirou o filme homônimo dirigido por Barry Jenkins, vencedor do Oscar por Moonlight. Tish tem dezenove anos quando descobre que está grávida de Fonny, de 22. A sólida história de amor dos dois é interrompida bruscamente quando o rapaz é acusado de ter estuprado uma porto-riquenha, embora não haja nenhuma prova que o incrimine. Convicta da honestidade do noivo, Tish mobiliza sua família e advogados na tentativa de libertá-lo da prisão. Se a rua Beale falasse é um romance comovente que tem o Harlem da década de 1970 como pano de fundo. Ao revelar as incertezas do futuro, a trama joga luz sobre o desespero, a tristeza e a esperança trazidos a reboque de uma sentença anunciada em um país onde a discriminação racial está profundamente arraigada no cotidiano. Esta edição tem tradução de Jorio Dauster e inclui posfácio de Márcio Macedo.

O romance conta a história de Tish Fonny, um casal apaixonado, com planos e sonhos que são interrompidos, após Fonny ser acusado, injustamente de estupro por uma mulher e ser preso por isso, deixando Tish grávida de seu filho.

O casal Tish Fonny faz planos e pretende alugar um lugar para os dois, para que Fonny possa trabalhar como artesão e viver em paz com Tish, porém o bairro, predominantemente branco, não é dos mais amigáveis para os dois, e logo eles enfrentam um problema com um policial que poderia ter resultado em uma tragédia.

Após esse acontecimento, tudo parece se tornar mais difícil para o casal, e no livor, o leitor já é apresentado à condição de Fonny na cadeia e Tish descobrindo a gravidez e tendo que enfrentar as consequências desse acontecimento sem o apoio de seu namorado.

IMG_20190510_130551

“O homem branco é um demônio. Com certeza não é humano. Algumas coisas que vi, cara. Vão me dar pesadelo até o dia em que eu morrer.” (página 105)

O livro Se A Rua Beale Falasse foi escrito por James Baldwin e lançado originalmente em 1974, porém, a história foi relançada esse ano (2019) pela Companhia das Letras e ganhou uma adaptação para o cinema que chegou a ser indicada ao Oscar. A história traz os acontecimentos da vida de Tish Fonny que são separados quando o rapaz é acusado injustamente de estupro e preso por conta disso.

O enredo mostra a evolução da personagem Tish tendo que amadurecer tão cedo, tanto por ter que enfrentar a prisão de seu amado, mas também por ter que cuidar de sua gravidez no meio de todo esse processo. Além disso, o livro mostra os esforços e a mobilização da moça a fim de tirar seu namorado da cadeia para que ele possa ficar com ela novamente e para que veja o filho deles nascer.

Ainda que escrita por um homem, a obra coloca as mulheres em evidência como personagens decisivas e expressivas da história, entretanto, a protagonista que traz a persona de uma mulher, porém escrita por um homem, pode incomodar alguns leitores por certas observações feitas por ele que tendem a demonstrar mais a visão que homens têm das mulheres do que a visão que elas têm de si mesmas.

IMG_20190510_130847 (1)

Cada um desses dois homens iria alegremente em cana, mataria um policial ou explodiria uma cidade para salvar seus filhos das chamas daquele inferno democrático. (página 130)

O livro traz o tema racismo da maneira mais real possível e reproduz a sensação de medo e desamparo de forma agoniante, assim trazendo ao leitor um panorama mais verdadeiro da condição real de pessoas negras na época, e infelizmente hoje em dia também, sem abrandar nem exagerar no assunto em nenhum momento.

A edição da Companhia das Letras traz uma jacket do livro com a capa do filme e na capa original de Daniel Treich traz um esquema de cores muito interessante e evidencia o nome do já falecido autor com um visual simples, mas muito bonito. Com fontes na medida certa e apresentação de James Baldwin na parte de trás da capa, o livro traz em sua edição um conceito diferente dando o máximo de destaque para o autor.

Se A Rua Beale Falasse, ainda que tenha um enredo um pouco lento no início é um livro necessário que representa luta, amor e coragem com uma abordagem extremamente humana e que cria identificação com o leitor por não se ater aos padrões de linguagem e escrita linear. Vale a pena a viagem!

Comentários