RESENHA: O Portador da Luz
29 jan

RESENHA: O Portador da Luz

Notícias, Resenhas

Victor Tadeu

Título: O Portador da Luz
Autora: Sylvana Camello
Editora: Coerência
Gênero: Fantasia
Número de páginas: 356

Adquira aqui: Coerência Store/Amazon

Sinopse: Em tempos de paz, os Etéreos habitavam as planícies do Paraíso. Num dia ensolarado, um ser chamado de Vênus apareceu por lá. Portando asas negras, demonstrava ter boa falácia e a elegância forçada dos mentirosos. Mesmo desconhecendo as origens da sedutora criatura, os bem-aventurados do Éden lhe ofertaram os segredos da criação. Não demorou para que esse ser hermético instituísse suas vontades sobre o Paraíso e se revelasse como o Demônio.

No entanto, outro ser também peculiar habitava aquelas planícies. Chamado de Adonai pelas forças místicas, liderou os Etéreos contra o monstro que os oprimia. Em sangrenta batalha nos Jardins do Éden, devolveu a liberdade ao povo do Paraíso e o fulgor de suas glebas. Agradecidos pela valentia daquele ser sem asas, os bem-aventurados lhe ofertaram o trono do Éden. Foi nesse dia que o bichinho carpinteiro da mudança cochichou nos ouvidos das dimensões: “Chegou a hora de criar novos mundos”. Adonai (conhecido como Deus por essas bandas de cá) recebeu o poder supremo da criação pelos braços do Cosmo.

O tempo passou e Deus criou o mundo de seus sonhos (o Terceiro Planeta, conhecido como Terra). Não demorou para que as necessidades humanas se sobrepusessem às escrituras do Éden. Para conter o desequilíbrio entre as forças do bem e do mal, Adonai decide então criar a dimensão do Inferno. Para isso, entrega ao seu filho Lúcifer o trono do Submundo e as asas que foram de Vênus. O poder do caçula causa inveja em seu irmão Gabriel e no diabo mais poderoso de seu exército, Sataniel. As intrigas feitas com seu nome obrigam o Senhor da Criação a infligir a mais cruel das punições ao seu filho caçula (a perda de suas asas e a clausura numa das alcovas do Inferno). A ausência do Demônio no trono do Submundo leva a insurgência dos Impuros e a queda do Paraíso.

Séculos depois, anjos e diabos buscam pelo Portador da Luz, único ser capaz de restaurar o equilíbrio entre as forças do Cosmo. No entanto, para encontrar tão poderosa entidade, vão precisar resgatar o Demônio das garras do Inferno, único ser capaz de encontrá-lo na Terra.

Tudo começou quando Adonai venceu uma batalha e pela valentia ganhou o trono do Éden, assim recebendo a orientação de criar o Terceiro Planeta, conhecida como Terra. Tudo aconteceu rápido, a população cresceu, seus filhos cresceram juntos, porém a maldade começou reinar no novo planeta.

Com a criação de seus filhos, muitas coisas começaram a mudar, principalmente no Terceiro Planeta. Tentando estabelecer uma otimização em sua criação, Adonai cria uma dimensão para o inferno, onde alguém de confiança e cunho iria habitar e comandar todo o mal da Terra, assim, tentando equilibrar a situação.

Decidido que Lúcifer era o mais apto para administrar o inferno, onde todo o mal habitaria, Adonai deu o poder para seu filho, justamente para dividir o bem e o mal. Inicialmente tudo ocorreu de forma bastante agradável, até mesmo o demônio se habituou tranquilamente em seu novo e desejado lar, mas o desejo por aumentar seu exercito começou a fluir.

Desacreditado com todo o desejo de ascensão demonstrado por Lúcifer, Adonai convoca seus outros filhos para procurar o casula, assim tentando estabelecer um equilíbrio entre o bem e o mal, já que o exército e a ganância do demônio descontrolou todo o plano do criador. Com essa busca pelo equilíbrio uma guerra pode ser travada a qualquer momento, podendo colocar a força do Cosmo em risco.

“Talvez tenha sido um erro a criação da inteligência. E mais errado ainda dá-lo para Lúcifer. (página 135)” 

O Portador da Luz, escrito por Sylvana Camello foi publicado em 2018 pela Editora Coerência, o livro conta a história do desequilíbrio entre o bem e o mal na Terra. Contendo protagonistas com personalidades curiosas e ao mesmo tempo totalmente comprometedora, essa é uma obra que possivelmente terá a opinião dividida entre os leitores.

Inicialmente mantendo na criação do planeta e a forma que Adonai, vulgo Deus, soube administrar todo a gênese acompanhamos detalhadamente o desenvolvimento da Terra e os seres celestiais que ajudam o criador manter o controle da Terra. Apesar dessas explicações e passagens serem necessárias para entendermos todo a trama da história, a escritora conseguiu ser muito descritiva no início, podendo agravar a leitura para alguns leitores.

Escrever uma fantasia envolvendo passagens bíblicas requer uma responsabilidade imensa para o escritor, justamente para ele não ir conta a religião que segue os mandamentos — essa especificação é válida para qualquer religião. — Porém. Sylvana Camello soube desenvolver uma história envolvendo deus, anjos, demônios e entre outros serem extremamente presentes na bíblia de forma bastante respeitosa, chegando trazer uma mensagem incrível no final da leitura.

Aproveitando a abordagem e o cenário bíblico, ela utiliza esses elementos para levantar críticas e algumas hipocrisias de forma direta ou indireta durante a leitura de O Portador da Luz. Todas essas alertas são feitas de forma leve e bastante compreensíveis, mas isso acaba limitando a leitura da obra, pois nem todas as pessoas têm a mente aberta o suficiente para digerir determinados questionamentos, infelizmente eles podem incomodar os fanáticos, já que costumam defender a religião e seus ensinamentos a todo custo e muitas das vezes de forma ofensiva.

“Como fugir a tão perfeita sensação? Cada vez que me beija, buscas minha alma. Eu sei, eu sinto. Não estou preparada para fugir de ti. Eu não quero fugir. Quem sabe posso tocar sua alma também. (página 170)”

A escrita de Sylvana Camello é muito inteligente, é nítido durante a leitura o quanto ela pesquisou para desenvolver toda a história. Intercalando de forma bem projetada os capítulos e suas perspectivas — alguns capítulos são sob a perspectiva de personagens — conseguimos nos entreter entre batalhas, traições, ascensões e bastante risadas. A forma que a autora escreve é muito fluída, mesmo em algumas partes sendo bastante descritivas, é necessário para uma compreensão clara.

Os personagens são um dos elementos mais fortes e prometedores de toda a história, eles carregam sentimentos e personalidades semelhante ao dos humanos, onde todos os seres celestiais também cometem erros, sentem inveja e entre outras atitudes/sentimentos presente entre os seres mortais. Essa foi uma ideia ousada e que deu certo da escritora, pois personagens como esses não são comum em fantasias de anjos e demônios, isso comprova como Camello foi totalmente original.

A Editora Coerência está sempre fazendo o máximo possível para desenvolver seus títulos com os melhores materiais em edição física, em O Portador da Luz não foi diferente. Com uma diagramação bastante agradável desenvolvida por Bruno Lira junto com a revisão de Talita Paes é possível fazer uma leitura visualmente agradável, além deles, o capista Décio Gomes também criou uma capa instigante, onde a história do livro é apresentada, porém sem muitas revelações.

O Portador da Luz é um livro que conquista o leitor aos poucos, porém não é uma leitura recomendada para todo mundo. Diante dos temas tratados durante a história, algumas pessoas que seguem os mandamentos bíblicos e tem uma doutrina mais severa podem não gostar da obra. Mas, por outro lado, o título carrega um humor encantador, capaz de arrancar diversas risadas dos leitores.

Leia Também:

RESENHA: Drako e a Elite dos Dragões Dourados
RESENHA: A Batalha do Acampamonstro
RESENHA: Shákila — A Batalha Pelo Trono
• O Portador da Luz, de Sylvana Camello, ganha livro com crônicas de Lúcifer

Comentários