Postado por: Victor Tadeu

Título: A Fábrica
Autora: Sylvana Camello
Editora: Independente
Gênero: Ficção científica
Número de páginas: 40
Onde adquirir: Amazon

Sinopse: OS SÁBIOS NÃO SE PREOCUPAM COM OS VIVOS E NEM COM OS MORTOS

Uma Fábrica …
Seis funcionários …
Um único objetivo: salvar o mundo.

No ano de 2029, o planeta Terra encontra-se em meio ao caos. A esperança de sobrevivência da raça humana depende daqueles que trabalham numa estranha fábrica de cor laranja. Seis operários lutam contra o tempo para salvar o que restara do Planeta. No entanto, o destino da raça humana é alterado quando os Operários descobrem a verdade função da Fábrica.

O ano é, o mundo está em ruínas devido uma epidemia que anda colocando a vida dos seres humanos totalmente em risco, infelizmente levantando a possibilidades da extinção. Vicente é um dos sobreviventes e trabalha na área laranja da Fábrica junto com as outras cinco pessoas.

Todos os dias ele acordava muito cedo, alguma das vezes antes de o sol raiar, e mantinha aquele resto de cidade funcionando, mas claro, com a colaboração dos colegas de serviço.

Foguetes são disparados frequentemente, os operários não sabiam o destino, justamente pelo exorbitante número de trabalho. Sempre vivendo no automático, visando a esperança de um futuro melhor, Vicente e seus amigos começam descobrir a verdade tenebrosa por trás daquela Fábrica.

“Os sábios não se preocupam com os vivos e nem com os mortos.”, já dizia a própria instituição.

Resenha A Fábrica

“— Enterrando os mortos, Vincy. Alguém precisa fazer isso — Pastor Kleber iluminou a rua. — Até que sobre apenas um. Esse um assistirá ao nosso extermínio.”

A Fábrica é mais uma obra de Sylvana Camello, autora de O Portador da Luz, As Crônicas de Lúcifer e Kiss – A Maldição do Rei dos Vampiros. Nesta obra acompanhamos uma ficção científica que gira em torno de uma epidemia devastadora, capaz de comover muitos leitores, principalmente devido a pandemia do novo coronavírus em 2020.

De fato, muitos escritores procuraram explorar histórias que envolvem pandemia ou epidemia devido o susto que o COVID-19 despertou no mundo inteiro. Essa é uma forma de levar entretenimento para aqueles que desejam se aventurar na infinita possibilidade de uma situação semelhante, e apesar de muitos estarem aproveitando o momento para lucrarem, Sylvana demonstra que sua ideia é levar entretenimento e chamar a atenção dos leitores.

A autora traz uma reflexão muito forte para estimular a importância de compreender aquilo que está exercendo para determinada empresa, pois na história os operários somente trabalham e estão extremamente acostumado com essa vida, apesar de não gostar dela. Porém, tudo começa fazer sentido quando os últimos trabalhadores começam entender o que está acontecendo por trás de todo serviço árduo e que compromete sua saúde. Consequentemente sendo um dos melhores momento de todo o enredo, onde é explorada uma ação mesclada com suspense surpreendedora e chocante, nos colocando para refletir.

O universo criado para essa narrativa é muito assustador, principalmente quando é nos apresentado como foi o início de toda a situação, onde a escritora consegue nos comover apenas com palavras e frases chocantes. Através de pensamentos de Vicente, nós conhecemos um pouco do passado, onde é explorado alguns romances e desastres, o que intensifica ainda mais a condição de vida daquelas pessoas.

A Fábrica

“Acreditava piamente que isso nunca aconteceria, porque sabia lidar com a praga. Mas as coisas dentro da Fábrica não seguiam uma lógica determinada pela ciência. Havia um calendário, e dependendo do dia, todos ali corriam risco de ser devorados vivos.”

Por se tratar de um conto, é certo que os personagens são explorados na base de um limite, por isso, a autora procura utilizar do cenário e todo seu contexto para trazer melhores informações sobre as personalidades de Vicente, de seus amigos e até mesmo algumas curiosidades sobre a Fábrica. Ao contrário de muitas outras histórias em contos, que infelizmente deixam a desejar na construção dos personagens, Camello procurou narrar a vida de todos com as ferramentes disponíveis para não estragar o enredo e nem a conclusão da trama.

Sylvana Camello demonstra através de A Fábrica que consegue atuar perfeitamente em diversos gêneros literários. Introduzindo o leitor aos poucos neste universo, a escritora conseguiu ser surpreendente nos momentos menos esperado, acertando nos plot twist e tornando a leitura gradativamente instigante e curiosa. É válido ressaltar que no início existem possibilidades de quem estiver fazendo a leitura ficar um pouco perdido, mas isso vai sendo solucionado ao ler das páginas, quando as verdades vão aparecendo.

Apesar de suas outras obras serem publicadas por uma editora, desta vez a autora lançou o conto solo de modo independente e somente em edição digital na Amazon. Após concluir a leitura, é de fácil compreensão as poucas referências de capa, inclusive a arte remete muito aos clássicos incríveis, trazendo uma forte reflexão de como essa história tem potência para realmente tornar uma leitura aclamada na atualidade e no futuro.

A Fábrica, de Sylvana Camello, não é apesar uma ficção científica lançada em uma pandemia, muito pelo contrário, a história é sobre a importância de saber o que está acontecendo com o mundo e, além disso, estimular a compreensão da exerção de seu trabalho. Essa pode ser uma obra literária que reflete em uma possibilidade do futuro, mas, por outro lado, também traz fortes críticas do contexto atual.

LEIA TAMBÉM:

RESENHA: O Portador da Luz
RESENHA: As Crônicas de Lúcifer
Tudo sobre o novo coronavírus na cultura POP

Desencaixados - 2020 | Alguns direitos reservados