CRÍTICA – Homem-Aranha: No Aranhaverso
09 mar

CRÍTICA – Homem-Aranha: No Aranhaverso

Filmes, Notícias

Amanda Barros

spiderTítulo: Homem-Aranha: No Aranhaverso
Título Original: Spider-Man: Into the Spider-Verse
Data de lançamento: 10 de janeiro de 2019
Duração: 1h 57min
Direção: Bob Persichetti, Peter Ramsey, Rodney Rothman
Gênero: Ação, animação, aventura
Nacionalidade: Estados Unidos

Sinopse: Miles Morales é um jovem negro do Brooklyn que se tornou o Homem-Aranha inspirado no legado de Peter Parker, já falecido. Entretanto, ao visitar o túmulo de seu ídolo em uma noite chuvosa, ele é surpreendido com a presença do próprio Peter, vestindo o traje do herói aracnídeo sob um sobretudo. A surpresa fica ainda maior quando Miles descobre que ele veio de uma dimensão paralela, assim como outras versões do Homem-Aranha.

O tão aguardado longa de animação do Homem-Aranha estreou nos cinemas brasileiros no dia 10 de janeiro de 2019. O filme é fruto de um trabalho de 5 anos da Sony Pictures em parceria com a Marvel.

Homem-Aranha: No Aranhaverso conta a história de Miles Morales, um jovem negro do Brooklyn que tem um pai muito rígido e acaba de entrar em uma escola mais rígida ainda. O jovem herói tem de lidar com toda a pressão de ser adolescente, mas o que não se esperava é que o Homem-Aranha que todos conhecem, Peter Parker, fosse morrer tão precocemente.

20180606-spider-man-into-the-spider-verse-peter-parker-image

Ver a morte de um personagem tão querido logo no início do filme é de magoar o coração de qualquer fã. O longa faz o espectador ter um pequeno contato com o Peter Parker do universo de Miles Morales, o amigo da vizinhança é um homem jovem e bem sucedido que infelizmente é morto pelo grande vilão do filme, o Rei do Crime.

Como na história tradicional, Miles é picado por uma aranha radioativa e adquire poderes, mas o filme vai além, com o grande acidente do filme trazendo outros homens-aranha e até uma Mulher-Aranha é possível explorar a mesma história de diferentes ângulos.

O enredo, como outros do gênero de herói focam no desenvolvimento de Morales descobrindo seus poderes e como usá-los, mas a animação é ousada com um roteiro cativante e cheio de surpresas para qualquer amante do gênero. A história de Miles e uma grande tristeza que vai assolar sua vida é parecida com outras histórias do universo do amigo da vizinhança, mas tem um toque sutil de emoção muito bem colocado.

Explorar o multiverso do Homem-Aranha foi uma das melhores ideias colocadas em prática no gênero super-herói até o momento, Miles Morales é um personagem cativante, mas os secundários, incluindo Peter Park, não deixam a desejar e conquistam o público tanto como alívio cômico como também como equipe nas grandes cenas de ação do filme.

4146b268c6

Os efeitos visuais do filme são de encher os olhos de qualquer um, e para fãs de quadrinhos é duplamente melhor, é como uma HQ ganhando vida diante dos olhos do espectador. As cenas de luta, pensamentos e sussurros representados exatamente como nas revistas em quadrinhos é um dos melhores exemplos do grande trabalho visual que a animação entrega.

Com uma trilha sonora majoritariamente composta de hip-hop e rap é possível ouví-la e imediatamente lembrar de cenas do filme, a trilha também ajuda a compor a imagem que o espectador tem da evolução do protagonista de um adolescente confuso e com medo de seus novos poderes a um super-herói, o novo amigo da vizinhança.

Homem-Aranha: No Aranhaverso é um filme que vale a pena assistir, até para os que não são fãs de animação.A história traz muita verdade e visualmente é um trabalho primoroso que explica o Oscar muito justo que o longa recebeu e o tempo de espera dos fãs para que o filme finalmente chegasse às telonas.

Para os fãs de quadrinhos é uma verdadeira homenagem ao trabalho de quadrinistas e escritores, além de apresentar o protagonista cativante, um roteiro emocionante e deixar ganchos para uma expansão ainda maior do Aranhaverso, é perfeitamente concebível a ideia de uma sequência, vale aguardar para ver.

Nossa nota é:

5 (1)

Assista ao trailer:

Comentários