CRÍTICA – Dumplin’
29 jan

CRÍTICA – Dumplin’

Filmes, Notícias

Julia Giarola

Título: Dumplin’
Título original: Dumplin’
Data de lançamento: 7 de dezembro de 2018 (Netflix)
Duração: 1h 50min
Direção: Anne Fletcher
Gênero: Comédia dramática
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Willowdean Dickson (Danielle Macdonald), é uma jovem acima do peso e bastante confiante com o próprio corpo, apesar de não ter o respeito de sua mãe, uma ex-miss (Jennifer Aniston). Quando se apaixona pelo atleta Bo (Luke Benward) e começa a ter inseguranças. Will decide entrar num concurso de beleza como forma de protesto.

Com dois filmes indicados ao Oscar deste ano (2019), a Netflix parece estar redimensionando suas estratégias quando se trata do conteúdo original lançado em sua plataforma. Mesmo apresentando séries aclamadas, a popular plataforma streaming tem achado dificuldades em lançar filmes que agradam a crítica, que muitas vezes não dá credibilidade aos lançamentos digitais exclusivos. Agora, tendo que competir diretamente com outras plataformas que estão sendo criadas, a Netflix tem dado mais atenção ao talento atrás da câmera, Roma e The Ballad of Buster Scruggs – ambos indicados múltiplas vezes para o grande prêmio da Academia – são os exemplos do sucesso desta estratégia. Porém, isso não quer dizer que todas as produções devem almejar tal sucesso, já que um filme agradável pode ser algo que muitos dos assinantes estejam procurando em uma tarde de domingo. Este filme é Dumplin’.

Com um clima alegre e um elenco talentos, o novo lançamento da Netflix é o que podemos classificar como um “feel-good movie”, com sua trilha sonora – preenchendo o filme com músicas de Dolly Parton – contagiante e mensagem positiva. O filme não requer sua total atenção para funcionar, já que consegue apresentar uma narrativa tranquila e personagens cativantes. O longa serve como uma barulho de fundo para quem quer se desligar um pouco da vida corrida.

Baseado no livro homônimo de Julie Murphy, Dumplin’ tenta seguir com uma narrativa tradicional que não exige muito da audiência, fazendo do filme uma sessão da tarde agradável. O humor suave inserido na história reflete muito bem o gênero que tenta seguir, mesmo que não seja hilário, considerando os talentos envolvidos. O loga, porém, não tem a intenção de ser engraçado, mas sim uma distração com uma mensagem importante para os dias atuais.

Quando se trata desta mensagem em si, Dumplin’ é um pouco distraído demais para ser impactante, considerando seu tema. Lidando com conceitos mais óbvios como beleza interior, o filme segue caminhos padrões que não geram a resiliência desejada. Isso sendo dito, o longa consegue sim lidar de maneiras mais eficiente com outro temas mais sutis, como a exploração da dinâmica familiar da protagonista.

Criando personagens complexos que ainda são complementados pelas atuações dinâmicas, Dumplin’ consegue refletir pessoas reais neste cenário simplista, dando credibilidade à sua história. Ao decidir não seguir o clichê de “protagonista contra antagonista”, o longa segue em uma jornada onde ambos evoluem como um conjunto, fazendo deste novo lançamento da Netflix um filme agradável que procura satisfazer mais o desejo dos assinantes da plataforma que a crítica em si. Vale a pena conferir!

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários