14ª edição do Flipoços valoriza pautas indígenas e dos povos originários
18 abr

14ª edição do Flipoços valoriza pautas indígenas e dos povos originários

Notícias

Victor Tadeu

Diante de tanta intolerância, é necessário levantar a visibilidade e representatividade de diversos povos, principalmente dos indígenas que carregam vários problemas sociais há anos, consequentemente prejudicando as culturas e modo de viver. E, apesar, de muitos tentarem apagar suas histórias e origens, a Flipoços, o Festival Literário Internacional de Poços de Caldas, colocou em pauta as causas indígenas e povos originários nesta edição.

Marcada para iniciar no dia 27 de abril e finalizar somente em 05 de maio, a Flipoços confirmou a presença de várias mesas, fóruns e atividades voltadas às pautas indígenas e discute, essencialmente, o genocídio indígena no Brasil.

(Divulgação/reprodução: Pelas Margens)

Algumas atrações já foram reveladas para o público que estarão estendendo essas pautas para os leitores, como Teatro da Urca realizado na segunda-feira (29) às 20h com o tema “Vidas entrelaçadas às dos primeiros habitantes – diálogo com os povos da floresta e sua importância na formação cultural brasileira“, com o líder indígena Ailton Krenak, autor de livros como “O lugar onde a terra descansa“, a antropóloga e escritora Betty Mindlin, a pesquisadora de povos indígenas e atriz Andreia Duarte, atriz da peça “Gavião de Duas Cabeças“, que denuncia o genocídio e a situação dos povos indígenas e a escritora e cineasta Rita Carelli, autora do livro “Minha Família Enauenê” e também da coleção “Um dia na Aldeia“, feita em parceria com a ONG Vídeo nas Aldeias, cujo o título “A história de Akykysia, o dono da caça” foi premiado pelo White Ravens e com o selo Altamente Recomendável pela FNLJ.

Além da mesa, na terça-feira (30 de abril) às 09h o Flipoços recebe o 1º Fórum de Debates Indígenas, com duas mesas, a primeira “Palavra criadora: narrativas tradicionais indígenas” que será com Angela Pappiani, Betty Mindlin e mediação de Susana Ventura. Na sequência, ocorre a mesa “Povos Indígenas e Questões Territoriais: aspectos históricos e atualidade” com Ailton Krenak, Robson Antonio Rodrigues, Carla Cunha Pádua, Fernanda Borges, Adenilson Kiriri, Fabiano Melo e mediação de Taciana Oliveira Ruellas.

“Nós tivemos o cuidado de pensar esta temática e de, com o apoio da Betty Mindlin, formatar a primeira mesa, em que o debate sobre o genocídio dos povos indígenas e a literatura, bem como a arte, feita a partir desta pauta, torna-se obrigatório. Será uma mesa de altíssima qualidade intelectual e indispensável na nossa programação, visto que os povos indígenas são inerentes à nossa formação”, declarou a organizadora e curadora do evento, Gisele Corrêa Ferreira.

(Divulgação/reprodução: Pelas Margens)

Como o evento abrange um público muito grande, também haverá espaço infantil dedicado ao indígenas. Essa ação será realizada no Sesc Flipocinhos com dois autores indígenas, que são Daniel Munduruku e Auritha Tabajara e ficarão responsáveis por bate-papos e contação de histórias ao público infanto juvenil do festival

Comentários