CRÍTICA – Han Solo: Uma História Star Wars
27 maio

CRÍTICA – Han Solo: Uma História Star Wars

Filmes

Julia Giarola

Filme: Han Solo: Uma História Star Wars
Título original: Solo: A Star Wars Story
Data de lançamento: 24 de maio de 2018
Duração: 2h 15min
Direção: Ron Howard
Gênero: Ficção científica, Fantasia
Nacionalidade: EUA

Sinopse: As aventuras do emblemático mercenário Han Solo (Alden Ehrenreich) e seu fiel escudeiro Chewbacca (Joonas Suotamo) antes dos eventos retratados em Star Wars, inclusive encontrando com Lando Calrissian (Donald Glover) e ganhando no jogo a lendária Millennium Falcon.

Após a aquisição dos direitos dos filmes do Star Wars, a Disney já conseguiu recuperar o dinheiro que gastou pagando George Lucas. Apostando na franquia como uma fonte certa de lucro, o estúdio vem lançando filme atrás de filme, conseguindo provar o tanto que o público deste universo é grande. Isso tudo, porém, parece não estar sendo suficiente, já que continuam tentando expandir ainda mais, atraindo também crianças para o cinema. O resultado disso são histórias infantis, com personagens que amamos da trilogia original. Han Solo: Uma História Star Wars, infelizmente cai nessa categoria, onde a grandiosidade dos visuais e personagens nostálgicos não são o bastante para segurar a qualidade da história – apesar de ser um filme divertido.

Um dos maiores atrativos das histórias contadas no universo de Star Wars é a sofisticação dos temas políticos e dos personagens. Isso, porém, mudou após a franquia ser transferida para a Disney que cada vez mais tenta arrastar o universo para um território infantil. Ambos os episódios lançados como parte integrada da saga mostram isso claramente, Rogue One: Uma História Star Wars sendo a grande exceção. Han Solo: Uma História Star Wars, porém pode ser o exemplo mais sólido desta direção tomada pelo estúdio, já que, com uma história infantil e personagens caricatos, o filme apenas foca seus esforços no entretenimento. Entre cenas de ação divertidas, o enredo fraco se perde nas falas clichês e escrita óbvia. O longa introduz personagens, mas não os desenvolvem, introduz sub-tramas, mas logo pulam para outra.

A direção de Ron Howard é bem sólida, mas faz um uso incorreto dos atores talentoso. Apesar de Alden Ehrenreich impressionar como Han Solo e Donald Glover ser a escolha perfeita para Lando Calrissian, o elenco de personagens se dispersar durante o filme, perdendo a dimensão e dinâmica entre eles. As cenas de ação são realmente bem divertidas e bem dirigidas, distraindo o longa um pouco de seus erros. Juntamente com a trilha sonora, a história fragmentada deste filme é conectada apenas por perseguições e lutas impressionantes, sem desenvolver um enredo realmente estruturado.

Fazendo campanhas pesadas sobre a presença de personagens femininas fortes, a Disney mais uma vez peca com a má exploração e representação dessas personagens, não passando se quer no Teste Bechdel – é um teste que avalia o bom uso de personagens femininas, tendo que cumprir três regras: ter duas personagens com nome; ao menos uma cena em que conversam entre si; e a conversa não pode ser sobre homem. As motivações das mulheres no filme são exclusivamente em relação à um homem, jogando o progresso dos últimos anos pela janela.

Infelizmente, Han Solo: Uma História Star Wars é um filme fraco, principalmente ao ser inserido dentro do universo rico de Star Wars. A verdade é que o filme é simplesmente desnecessário, utilizando a nostalgia de personagens amados da saga original para trazer mais dinheiro para dentro do estúdio. Além de infantilizar a trama, a Disney vem desapontando quando se trata de um verdadeiro progresso na história, que se mantem a mesma, e dos personagens que estão sendo obrigados a regressar nessas mesmas jornadas. Este spin-off é sim divertido, mas quando se trata de peso de trama, é uma oportunidade desperdiçada já que não aproveita de nenhum dos aspectos mais complexos do enredo ou do interessante protagonista que tinham a disposição.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários