Postado por: Paulo Olin Francês

Título: La Casa de Papel
Título original: La Casa de Papel
Ano de lançamento: 2020 (Netflix)
Duração: 8 episódios
Criador: Àlex Pina
Gênero: Drama, Suspense
Nacionalidade: Espanha
Sinopse: A quarta temporada de La Casa de Papel começa frenética. O Professor acredita que Lisboa foi morta. Rio e Tóquio acabam explodindo um tanque do exército. Enquanto isso, Nairóbi está lutando para sobreviver. Para intensificar as coisas, um novo inimigo está surgindo, e dificultará os planos do grupo de assaltantes.

A série que conquistou milhares fãs no mundo todo retorna para sua 4ª temporada com o intuito de dar segmento ao arco do segundo maior assalto planejado pelo professor Sergio Marquina (Álvaro Morte) e sua equipe. A nova história, que teve seu início na temporada anterior, já carregava o desafio de continuar explorando uma obra que pretendia ter começo, meio e fim no formato de minissérie. Agora, a mais recente temporada de La Casa de Papel demonstra ainda mais os erros e acertos da produção e da decisão de oferecer a continuidade de algo que, aparentemente, já estava concluído.

A decisão mais simples e cômoda da série era óbvia: repetir a fórmula do sucesso. Logo, separar a história de um assalto ao banco em mais de uma parte era, pela segunda vez, a escolha perfeita para manter as expectativas do seu público. Não é uma idéia original desde o início, mas é eficiente. No entanto, o sentimento de deja vu não para aqui.

Assim como a 2ª temporada, os primeiros episódios são dedicados a continuar ocasiões dos eventos anteriores, engavetando parte da ação e da movimentação da trama para executar depois. As situações e viradas no roteiro reutilizadas são os motivos mais evidentes para essa comparação, que inclui os planos do professor até atitudes repentinas dos membros da equipe.

As ótimas cenas de tensão permanecem no mesmo nível de qualidade, uma especialidade da série que se mantem em todas as temporadas até o momento. Algumas cenas imprevisíveis também fazem parte do lado bom da temporada. A parte que prejudica fica por conta da narrativa paralela envolvendo investigações policiais, que, às vezes, retira o foco da trama principal (ou, pelo menos, do que era para ser) sobre o assalto e no fim das contas não acrescenta muito. Contudo, é preciso reconhecer o esforço para explorar diferentes possibilidades e estabelecer novas formas de continuar nesse universo, mesmo que isso signifique desfazer o projeto inicial.

A nova temporada não se difere muito das anteriores: a adrenalina das cenas e as convenções do roteiro, que se diverte fazendo isso, ainda são os motivos para assistir ao seriado espanhol. Os momentos marcados pelo “o professor resolve” ainda são a grande diversão, fazendo planos tão absurdos quanto na 3ª temporada, mas não menos divertido. Também é possível extrair o sentimento revolucionário que série tentar repassar, ainda que haja muitos problemas na hora executar essa parte. No geral, os fãs do seriado acabam de receber mais uma dose de diversão, exatamente como o esperado (ou não).

La Casa de Papel joga seguro na maioria das suas decisões, sai de algumas de zonas de conforto (algumas surpreendentes), mas ao todo oferece a mesma experiência que você já passou. Reutiliza situações e recicla atitudes de alguns personagens, mas isso não vai ser motivo para deixar de assistir (não ainda). Os mais ansiosos podem sentir dificuldade com o ritmo mais cauteloso no início, mas nada que prejudique a experiência. E no fim, se entrega de vez num formato, que se não for planejado com cuidado, está fadado a entrar em uma zona repetitiva com uma trama cada vez mais confusa.

Nossa nota é:

Assista ao trailer: 

Desencaixados - 2020 | Alguns direitos reservados