Deuses Americanos
16 maio

Deuses Americanos

Séries

Julia Giarola

Série: Deuses Americanos
Título original: American Gods
Ano de lançamento: 2017
Duração: – –
Criador: Bryan Fuller, Michael Green
Gênero:
 Drama, Fantasia
Nacionalidade: EUA
Sinopse: O drama é centrado em uma guerra entre os velhos e os novos deuses. Os seres bíblicos e mitológicos estão perdendo cada vez mais fiéis para novos deuses, que refletem o amor da sociedade por dinheiro, tecnologia, celebridades e drogas. Shadow Moon é um ex-vigarista que agora serve como segurança e companheiro de viagem para o Sr. Wednesday, um homem fraudulento que é, na verdade, um dos velhos deuses, e está na Terra em uma missão: reunir forças para lutar contra as novas entidades.

Deuses Americanos é uma série da emissora Straz baseado no best-seller de mesmo nome. O livro escrito por Neil Gaiman foi lançado em 2001 e se tornou um sucesso abordando uma história interessante e intrigante. O romance de fantasia atraiu muitos fãs com sua mitologia e personagens cativantes, além de apresentar um universo novo e complexo. A série foi criada por Bryan Fuller e Michael Green e teve sua estreia no dia 30 de abril de 2017, nos Estados Unidos. Sua transmissão mundial acontecerá pelo serviço de streaming, Amazon Prime Video.

A série é focada em Shadow Moon (Ricky Whittle), um homem que cumpre três anos de prisão. Faltando poucos dias até o fim de sua sentença, Shadow acaba sendo liberado inesperadamente depois que sua amada esposa, Laura (Emily Browning), é morta. Posteriormente, Shadow encontra-se ao lado de um homem chamado Wednesday (Ian McShane), que lhe oferece um emprego. Em primeira instância, Wednesday parece ser nada mais que um trapaceiro que precisa de Shadow como guarda-costas. Wednesday está trilhando seu caminho pelos EUA, reunindo todos os velhos deuses, que agora se incorporaram na vida americana, para enfrentar os novos deuses, incluindo os relacionados a mídia e tecnologia, que estão se fortalecendo.

A adaptação foi anunciada em 2014 o que deixou muitos fãs do livro preocupados. O romance de Neil Gaiman apresenta elementos que podem ser considerados “infilmáveis”, pois representam demais o abstrato que, apesar de transcender bem no papel, poderia ser um desastre na tela. Mas a produção não poderia ter escolhido colaboradores mais adequados que Bryan Fuller e Michael Green. Fuller que já provou sua capacidade de criar e carregar séries de qualidade como HannibalPushing Daisies, agora se junta com Green que está tendo um ótimo ano com o resultado de Logan, no qual ajudou a escrever.

Para aumentar ainda mais as expectativas da série, o elenco é simplesmente impecável, começando com Ian McShane, que interpreta Mr. Wednesday, e ainda acrescentando nomes como Crispin GloverKristin ChenowethOrlando Jones e Gillian Anderson.

Agora para o veredito… Deuses Americanos é nada mais que espetacular! Bryan Fuller trás de volta os incríveis visuais de Hannibal encaixando perfeitamente com o estilo de escrita de Neil Gaiman. A grandiosidade das cenas e sequências de ação é algo de se admirar, assim como a maravilhosa fotografia da série. Esta adaptação optou por representar a ultra-violência, sem medo de mostrar batalhas sangrentas e cenas fortes. Eles não economizam no sangue, que é, em sim, um personagem da série. A trilha sonora ajuda a compor as cenas de maneira surreal, ajudando o expectador a se habitar neste novo universo.

Os roteiristas aproveitam o formato do livro para explorar os diferentes aspectos da história, mas não se prendem a ela. Há cenas diretamente retiradas das páginas do livro, copiando até as vírgulas dos diálogos. Mas a série ganha outra dimensão quando consegue adaptar e atualizar outras concepções para os nossos dias atuais. Um exemplo disso é a introdução do deus da tecnologia, quando a cena aproveita nossas inovações acrescentando um toque de realidade virtual.

A série utiliza os temas de Neil Gaiman, mas enfatizam as crenças. O que acontece com os deuses quando são esquecidos? E nossas novas fontes de dedicação como a mídia e a tecnologia, como eles se manifestam? Isso tudo é destacado sutilmente nos diálogos dinâmicos da série que consegue estabelecer um ótimo ritmo para seus episódios, estes que apresentam uma estrutura parecida com a do livro.

Os episódios começam com as chegadas dos Velhos Deuses nos EUA, estes que são trazido pelos imigrantes. Estes deuses são movidos e motivados por adorações e sacrifícios. Na atualidade, porém, muitos destes deuses ou já foram esquecidos ou estão prestes a ser. Shadow Moon (Ricky Whittle) é nossa janela neste universo. Quando ele é recrutado por Mr. Wednesday (Ian McShane), os dois saem a procura dos Velhos Deuses para os convocarem a guerra que está por vir. Shadow é introduzido devagar a este mundo assim como a audiência.

“Há sacrifícios maiores que se pode pedir para fazer do que ficar um pouco louco.” – Mr. Wednesday

Ao decorrer dos episódios, Shadow conhece alguns dos amigos de Mr. Wednesday, como Czernebog (Peter Stormare) e Mad Sweeny (Pablo Schreiber); e alguns dos Novos Deuses como Technical Boy (Bruce Langley), o deus da tecnologia, e Media (Gillian Anderson), a deusa da mídia. Todos estes encontros são memoráveis graças ao elenco e o impecável roteiro. As interações entre Shadow e os deuses são o ponto alto dá série que é repleta de diálogos sagazes e dinâmicos.

Os Novos Deuses tentam intimidar e recrutar Shadow durante a história. Eles afirmam já terem vencido a batalha, eles que também são movidos pela dedicação das pessoas que hoje não conseguem viver sem seus celulares, sem suas TVs, automóveis, entre muitas outras obsessões.

Deuses Americanos vai ao ar todo domingo as nove da noite na emissora Starz e já está em seu terceiro episódio. Estes episódios estão disponíveis para o público brasileiro no Amazon Prime Video.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

 

Leia também:

 

Comentários