CRÍTICA: As Épicas Aventuras do Capitão Cueca – 1° Temporada
13 jul

CRÍTICA: As Épicas Aventuras do Capitão Cueca – 1° Temporada

Séries

Victor Tadeu

Título: As Épicas Aventuras do Capitão Cueca
Título Original: The Epic Tales of Captain Underpants
Data de Lançamento: 13 de julho de 2018
Duração: 13 episódios (25 min)
Direção: Dreamworks Animation
Gênero: Programas infantis/besteirol
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Amigos inseparáveis, Jorge e Haroldo adoram fazer pegadinhas, criar gibis… e transformar o diretor da escola em um super-herói de cueca.

George Beard e Harold Hutchins são dois pré-adolescente amigos desde cedo, devido às convivências acabaram obtendo gostos em comum e estão sempre aprontando juntos. Ambos estudam na mesma escola e por coincidência, na mesma sala, onde passam a maior parte do tempo esquematizando suas trakinagens. Convivendo com professores extremamente estranhos e ultrapassados, eles não conseguem se controlar e acabam entrando em várias atrapalhadas, devido ao desejo incontrolável de alimentar o gibi que escrevem juntos.

Os amigos tem o incrível hábito de ilustrar e escrever um gibi sobre o Capitão Cueca, um diretor chamado Sr. Krupp que foi hipnotizado pela hipno-anel, um anel que em apenas um estalar de dedos transforma Krupp no tão atrapalhado herói. Enfrentando os maiores vilões desde professores a alunos, George e Harold estão sempre atualizando a história do gibi e entrando em confusão dentro do colégio, na qual, na maioria das vezes (ou quase sempre) são imunes das consequências devido às paginas que acabam tornando realidade.

As Épicas Aventuras do Capitão Cueca é uma série em animação produzida pela DreamWorks Animation, na qual, a Netflix comprou os direitos autorais para distribuir como Original Netflix, e nessa sexta-feira (13/07/2018) foi a data de lançamento da série. O conteúdo já está disponível no catálogo do serviço de streaming, continue lendo a crítica e saiba mais sobre a animação.

Em 2017 foi lançada a adaptação cinematográfica do livro As Aventuras do Capitão Cueca, o longa-metragem foi responsável por abrir visibilidade para uma história muito bem flexionada e comentada pelo público infanto-juvenil. Carregada com uma série de livros, As Aventuras do Capitão Cueca não foi o suficiente para contar as histórias eficientemente elaboradas por Dav Pilkey (autor das obras), por isso, a DreamWorks Animation produziu uma animação em série apresentando inúmeras outras atrapalhas vinda de George e Harold, os dois protagonistas, junto com Sr. Krupp.

Carregando atualmente 1 temporada e com média de 25 minutos cada episódios, As Épicas Aventuras do Capitão Cueca tem o intuito de expandir as histórias, personagens e o gibi desenvolvido dentro dos livros. Cada episódio conta uma história individual, porém, essencial para um compreendimento futuro, já que alguns personagens utilizam objetos e referências de episódios passados. Apesar dessa dependência totalmente superficial de assistir a série em sequência, qualquer expectador consegue compreender a história começando assistindo de qualquer episódio, o que torna ela flexível e independente.

Durante todos os episódios assistimos com o acompanhamento de um narrador oculto, na qual, às vezes aparece com o intuito de nos apresentar alguma fator importante dentro da história, assim temos um aprendizado totalmente breve, rápido e sensível. Além disso, esse mesmo narrador consegue trazer um senso de humor muito simples e agradável dentro dos episódios, o que acaba edificando toda a produção. É válido lembrar que esse tipo de narração é comum em várias animações, um exemplo delas é As Meninas Super Poderosas.

As Épicas Aventuras do Capitão Cueca consegue acertar de forma incrível no roteiro, pois, apesar de ter vários momentos de humor (quase todos), em nenhum momento o diretor pensou parar para explicá-los e, assim, uma piada vai atropelando a outra sem explicação. Porém, esse é um marco muito grande dentro das histórias e acaba soando como natural, só que, é válido lembrar que nem todas as piadas são engraçadas, mas eles utilizam elementos totalmente mirabolantes e sem noção, capaz de arrancar risos de muitas crianças, o que também deixa avisado que nem todos adultos irão se sentir agradáveis com o humor da animação, já que eles não são o público-alvo.

É muito notório que a animação da série carrega ilustrações divergentes do filme, o que é muito importante ressaltar que essa alteração não influencia na qualidade de designer gráfico em nenhum dos títulos. Outro fato que consideramos importante relevar aqui, é que, todas as cenas de ódio, desigualdade, bullying e adjacências são repudiadas pela série, somente as cenas de lutas/violência são apresentadas, porém com cautelas, pois os personagens saem da animação e são representados muitas das vezes via fantoches, massinha, panfletos e entre outros mecanismos bem elaborados é curiosos.

Os efeitos sonoros apresentados em As Épicas Aventuras do Capitão Cueca é muito clichê em animações, porém, isso não significa falta de investimento. Já que, as piadas feitas dentro dos episódios são totalmente atualizadas, o vocabulário é regulado e muitos dos elementos fluentes dentro da série são inovadores e atuais. O que, consequentemente um fator vai ajudando o outro e tudo consegue ser estabilizado e equilibrando na base do possível. Sem falar, que o roteiro e os traços da animação também foram muito bem tratados e idealizados, ou seja, estão de total qualidade dentro da produção.

Com a capacidade de agradar uns e deixar outros à desejar, As Épicas Aventuras do Capitão Cueca é um animação muito inclusiva, na qual, distorce totalmente a ideia de que heróis são apenas para meninos, sem falar, que cada personagens carrega sua essência durante todos os episódios. Contando no elenco com Nat Faxton (Amigos da Faculdade), Jay Gragnani  (Megan Is Missing) e Ramone Hamilton (Modern Family) a série em animação já está disponível no catálogo Netflix.

Nossa nota é:

Assista ao Trailer:

Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *