RESENHA: Sobreviventes do Caos – Trilogia 2323
05 maio

RESENHA: Sobreviventes do Caos – Trilogia 2323

Resenhas

Myrna Ariel

Título: Sobreviventes do Caos – Trilogia 2323
Autora: Bianca Gulim
Editora: Independente
Gênero: Romance / Distopia
Número de páginas: 183
SKOOB

Adquira Aqui: Amazon | Site Oficial

Sinopse: Em um mundo distópico, no ano 2323, após ser quase dizimada por um vírus mortal e pela guerra, a raça humana tenta se reestruturar. Com poucos recursos disponíveis, a humanidade encontra-se dividida em grupos que vivem de acordo com regras impostas por seus líderes.
Celine cresceu nesse ambiente hostil e se tornou líder dos guerreiros de seu povo após a morte de seus pais. Seu grupo se envolve em diversos conflitos e a jovem precisa tomar as decisões que julga corretas para garantir a sobrevivência de seu povo, enquanto se envolve num forte romance, do qual tenta se manter afastada.
Aos poucos, ela descobre mais sobre as pessoas que a cercam e percebe que, quando se trata de lutar pela própria vida, poucos são previsíveis. Só os mais fortes sobrevivem, e os mais fortes normalmente são os mais crueis. Nesse ambiente, o mais difícil é saber quem realmente está ao seu lado e quem é um traidor.
Será Celine capaz de manter sua benevolência frente à tanta violência que a rodeia? Seu coração terá espaço para a paixão, cercado de tanto ódio?
Prepare-se para muita adrenalina e romance nesse primeiro livro da trilogia 2323. Você vai perder o fôlego!

 

A própria sinopse avisa que você irá perder o fôlego com esse livro, e eu acho que ainda estou tendo um ataque cardíaco aqui. Distopia já é um dos gêneros que mais gosto, mas esse livro em especial superou tudo o que eu esperava.

Somos apresentados ao ano de 2323, onde após uma guerra e um vírus mortal se espalharem pelo o mundo os sobreviventes formaram grupos onde vivem sobre a suas próprias leis. Cada grupo tem as suas características, alguns tem guerreiros bem treinados, e outros grandes exércitos. O território é dividido entre os aligorteso povo da areiaa fortaleza e o povo de Celine que é a personagem principal.

Celine é a líder dos guerreiros do seu povo, enquanto o seu irmão Julio é o responsável por liderar e deixar em segurança todas as pessoas daquele acampamento. Após a morte dos seus pais Julio assumiu o posto e começou a treinar a irmã quando ela era pequena.

Tudo parece bem, não é? Cada povo vivendo sem nenhum problema, mas não é assim. Infelizmente guerras ainda continuam a acontecer, não tem como evita-las, aparentemente é uma palavra que nunca sairá do nosso dicionário.

Quando Julio decide ir até a fortaleza esclarecer as coisas – já que ela é praticamente a responsável por “manter a paz” entre os povos, e os únicos com tecnologia – as coisas saem um pouco do controle enquanto Celine estava na liderança do acampamento. Muitas coisas estão erradas, e traições podem acabar gerando uma nova guerra.

“Acho que só conhecemos uma pessoa de verdade quando passamos por momentos de sobrevivência ao lado dela. São nessas ocasiões que mostramos quem realmente somos. (Página.13)”

Sobreviventes do Caos é um livro fantástico que tirou o meu sono – minhas olheiras comprovam isso. O jeito como Bianca Gulem escreve é incrível, você vai lendo e quando percebe já vai na página 100, a leitura é rápida, gostosa e vale muito a pena.

Os personagens completam a história de uma forma surpreendente, e aos poucos você se apega a eles, e como a distopia se passa em um cenário de guerra é inevitável aquele aperto no coração toda vez que os acontecimentos saem dos trilhos.

O livro é narrado em primeira pessoa, então temos linha direta com a mente da Celine e com a sua visão um pouco estressada sobre as coisas que estão acontecendo e sobre as pessoas que estão a sua volta, entre eles temos Darion, que quebra o estereótipo de que homem e mulher não podem ser amigos. Ele e Celine cresceram juntos e acabaram se tornando melhores amigos e parceiros de combate, são dois personagens que funcionaram bem juntos – como amigos – e quando um precisa o outro está ali, eles são como irmãos que sempre apoiam ao outro, e que conseguem conversar facilmente com apenas o olhar.

“Ele vira as costas e começa a caminhar. Eu o alcanço e o abraço, passando meus braços por baixo dos dele. Encosto o meu rosto em suas costas.

– Você é sangue do meu sangue, e eu te amo – digo baixinho.(Página.8)”

Além de uma distopia é claro que temos um romance no meio disso tudo. Celine é uma garota com personalidade forte e é muito independente, juro que achei que incluindo um romance no meio da história iria prejudicar as características marcantes da personagem, mas não, até um triângulo amoroso surge e isso não interfere em sua personalidade, Celine continua sendo a líder que os guerreiros conhecem. Ela pode muito bem enfrentar uma batalha e ter os seus momentos amorosos, e aviso logo que o livro tem algumas cenas quentes.

“- Conheço os seus movimentos, princesa guerreira. Você é boa mais eu sou melhor – dou risada. Ele sabe que luto melhor que ele. Daqui a pouquinho ele vacila, e eu acerto esse rosto com traços perfeitos.(Página.9)”

O cenário que a história é narrada não é tão difícil de imaginar, é tudo muito bem detalhado, é só ir ligando os pontos e quando menos esperar você praticamente terá o mapa de um novo país na mente. São áreas diferentes, florestas, deserto, lagos, grutas, acampamentos, e que de uma forma incrível Bianca consegue fazer com que nos sentirmos presentes.

As cenas de ação são bem marcantes e muito bem construídas, cada guerreiro tem a sua habilidade chave e cada povo tem uma forma de treinamento diferente o que diferencia cada batalha enfrentada. A relação de Celine com os seus guerreiros é impressionante, tem todo o respeito e a lealdade que eles tem sobre ela, tem alguns momentos que pessoas de fora aparecem e dá pra sentir a surpresa deles ao saber que é uma garota que lidera, e basta só alguns segundos para saber porque é ela quem está à frente.

“Quando a possibilidade de morrer é grande, nenhum mentiroso mantem sua farsa. Nenhum traidor continua fingindo lealdade. Nessas situações, vemos quem está do nosso lado de verdade. Quem morreria pelo outro. (Página.13)”

A história é contagiante do começo ao fim, e quando chega na última página bate o desespero, é meio que: Como assim acabou? Não pode parar logo nessa parte! Você acaba não percebendo que o final chegou, era por volta das quatro da manhã quando terminei de ler e passei uns 20 minutos olhando para a tela do notebook processando o que tinha acontecido.

Esse é apenas o primeiro livro da trilogia, e o grande gancho no final faz com que fique claro que ainda tem muita história pela frente, e que isso foi só uma introdução. Sabe aquela sensação de quando você termina um livro e pensa que o mundo deveria ler aquilo? Foi a sensação que tive ao terminar Sobreviventes ao Caos. 

Bianca Gulem é uma autora independente e o livro está disponível apenas em formato digital, os escritores independentes não são tão valorizados no mercado da literatura e nem todos os leitores estão dispostos a ler um livro digital, o que é uma pena, pois estão perdendo uma grande história. Apoie um leitor independente e não se impeça de ler algo por ser digital, pode ter uma grande aventura o esperando, e cabe a você descobrir.  

Comentários

  • Bianca Gulim de Carvalho Bia

    Olá Myrna!
    Nossa, que resenha incrível! Eu AMEI!! Você pegou a essencia da obra e quando isso acontece é maravilhoso!! Estou muto feliz com essa parceria e torço para que ela se estenda por muito tempo! Ansiosa pra te manda a sequência, que já está sendo produzida e deve estar disponível em ebook no final do ano! Você certamente receberá em primeira mão! O físico de Sobreviventes já está na gráfica e deve estar disponível em alguns dias.
    Muito obrigada pela leitura e pelo belo texto! Fico muito feliz que vc tenha gostado!!
    Um enooorme beijo pra vc e todos os colaboradores do blog!