RESENHA: Pegasus e o Fogo do Olimpo
10 nov

RESENHA: Pegasus e o Fogo do Olimpo

Resenhas

Myrna Ariel

Título: Pegasus e o Fogo do Olimpo
Autor: Kate O’Hearn
Editora: Leya
Gênero: Aventura/Fantasia
Número de páginas: 290
SKOOB

Sinopse: Quando Pegasus, o mítico cavalo com asas, cai de uma grande tempestade no teto de um apartamento em NY, a vida da jovem Emily vira uma verdadeira lenda: batalhas épicas com monstros medonhos, uma busca desesperada para encontrar aliados, voos radicais sobre um belo cavalo com asas e um desafio heroico para salvar o Olimpo antes que o lugar seja destruído. Junte-se a Pegasus nesta incrível aventura!

O olimpo caiu, os deuses e o mundo correm perigo. Ninguém esperava o ataque dos Nirads – monstros cinzentos com quatro braço e resistentes como aço. Quando Mercúrio tombou, Júpiter percebeu que não poderiam vencer essa batalha, o Fogo do Olimpo estava fraco e se dependesse dos Nirads ele seria apagado.

Percebendo o tamanho do problema, Júpiter decide enviar Pegasus para a Terra com a missão de encontrar a Chama que trará esperança para os deuses reacendendo o Fogo do Olimpo. Tudo estava um caos, mas para piorar as coisas no meio do caminho Pegasus é atacado, tanto por Nirads como por Paelen – um olímpico que quer roubar as rédeas de ouro do garanhão. Quando é atingido por um raio Pegasus acaba se ferindo e caindo no terraço de um prédio.

A ilha de Manhattan está um caos, nenhum jornal tinha alertado os moradores sobre uma tempestade de raios que deixou todos apavorados. Sem energia, transporte e com medo ninguém estava entendendo o que estava acontecendo. Emily assistia pela janela do seu prédio o espetáculo de luzes caindo do céu, enquanto o seu pai fazia hora extra no trabalho tentando acalmar as coisas junto com os outros oficiais. Quando um raio atingiu o Empire State, lançando pedaços de metal pelo o ar, a garota se assustou com o barulho de algo caindo no seu terraço. Ela esperava que fosse uma placa de metal, mas se surpreendeu ao encontrar um garanhão tão branco que chegava a brilhar com suas grandes asas que pareciam ter saído de um conto de fadas. Agora depende de Emily ajudar Pegasus a se recuperar e prosseguir com a sua missão, se ele falhar tanto o Olimpo como a Terrra sofrerá.

– É você mesmo, não? – ela sussurrou calmamente enquanto corajosamente acariciava o focinho dele. – Você é o Pegasus, não é? Quer dizer, o Pegasus de verdade. (Pág.31)

Pegasus é uma história que envolve mitologia romana com os dias atuais de uma forma que facilita o leitor a aprender sobre os mitos de uma forma leve e rápida. Nas primeiras páginas temos uma visão de como seria a morada dos deuses e como ela está com a chegada dos Nirads, e pra quem sempre imaginou que os deuses não tem medo ou que é impossível derrota-los, se surpreende ao abrir o livro e dar de cara com uma guerra sangrenta onde o Monte Olimpo está banhado pelo sangue dos deuses. Narrado em terceira pessoa temos capítulos que alternam entre momentos e lugares diferentes trazendo a maior quantidade de informação possíveis, Kate O’Hearn acertou ao fazer isso, em muitas partes temos visões diferentes de um só lugar mesmo a narrativa sendo na terceira pessoa.

Ao introduzir a personagem principal na história a escritora traz um pouco do olhar humano sobre o que está acontecendo, é uma guerra para os deuses, mas para os humanos é um fenômeno natural. Emily é uma garota normal, mora com o pai e perdeu a mãe a poucos meses e ainda sofre com o luto, ao encontrar Pegasus ela decide ajuda-lo e então percebe que todos os mitos são reais. Diferente de outros personagens Emily não teve um grande desenvolvimento ao decorrer do livro, tiveram sim algumas mudanças na sua maneira de pensar, mas não foi tão abordado. É incrível a conexão que a menina tem com Pegasus, mas a escritora focou tanto nisso que esqueceu de adicionar detalhes que dariam um charme a mais na história.

Além dos Nirads, os personagens principais terão que lidar com o governo, já que eles estão investigando coisas estranhas que acontecem em Manhattan, e é nessa parte que percebemos que os deuses estão com problemas mesmo. Os Nirads já conseguiram desestabiliza-los tanto que simples humanos conseguem machuca-los.

O livro tem muitos pontos positivos, mas também tem negativos. Analisando parte por parte iremos encontrar coisas surpreendentes, mas a história como um todo deixou um pouco a desejar. Se você já leu muitos livros sobre a temática, nos primeiros capítulos já vai ter matado a charada e irá sentir falta de algo que realmente te prenda a história. Chega um momento em que parece que o foco principal se perde em meio aos acontecimentos e isso só te dá mais certeza que a sua teoria estava certa, parece que a escritora já deu o final de bandeja e só continuou explorando novas áreas para a enredo.

É um livro mediano, mas como já escutei muitas críticas boas sobre essa série provavelmente nos próximos livros a escritora dará uma melhorada. Ao todo são cinco volumes que fizeram/fazem sucesso aqui no Brasil, infelizmente o primeiro livro não me agradou muito, mas irei ler o segundo e ver se as coisas melhoraram. É um história pra quem deseja saber um pouco mais sobre mitologia, é tanto que muitas vezes os personagens corrigem outros quando começam a misturar mitologia romana e grega, pois realmente quando vamos pesquisar sobre ela é comum encontra-las misturadas. No fim de tudo foi uma experiência de leitura boa, mas é impossível não deixar de notar que faltou algo.

Comentários