RESENHA: O Mau Exemplo de Cameron Post
18 jun

RESENHA: O Mau Exemplo de Cameron Post

Resenhas

Julia Giarola

Título: O Mau Exemplo de Cameron Post
Autora: Emily M. Danforth
Editora: HarperCollins
Gênero: Jovem adulto/LGBT
Número de páginas: 448

Lojas disponíveis: Amazon

Sinopse: Quando os pais de Cameron Post morrem em um acidente de carro, a primeira coisa que ela sente, para sua própria surpresa, é alívio. Alívio que eles nunca vão precisar saber que, algumas horas antes, ela estava beijando uma menina.

Mas o alívio não dura, e Cam é forçada a morar com sua tia ultraconservadora e sua bem-intencionada mas antiquada avó. Ela sabe que, daqui em diante, tudo será diferente. Sobreviver nessa pequena cidade rural de Montana exige que Cam finja ser igual a todo mundo e evite assuntos indelicados (como diria sua avó), e ela é boa nisso.

Até que Coley Taylor chega à cidade. Coley é perfeita, e tem um namorado perfeito para completar. Ela e Cam forjam uma amizade intensa, que parece deixar espaço para algo mais. Mas assim que isso começa a parecer possível, a religiosa tia Ruth decide que é hora de “consertar” sua sobrinha, a mandando para God’s Promise, um acampamento de conversão que deve “curar” sua homossexualidade. Lá, Cam fica frente a frente com o custo de negar quem ela é – mesmo que ela não tenha certeza que sabe realmente quem é.

Ainda existe uma percepção distorcida sobre a importância da representatividade. Por que é essencial se ver na tela e nas histórias? Entre livros, filmes e séries – os meios mais influentes da mídia – a representação de minorias consegue alcançar novos patamares ao reconhecer a diversidade que existe em nosso redor, trazendo todos mais próximos ao disponibilizar uma nova perspectiva sobre à vida dos outros. O Mau Exemplo de Cameron Post utiliza este tema como um exemplo, introduzindo o leitor em um ambiente conservador e intolerante, consequentemente mostrando a essência por trás da normalização de aspectos tais como a homossexualidade através das histórias e das pessoas.

“Mesmo que nunca tivessem me dito especificamente para não beijar uma garota, ninguém precisava fazer isso. Beijos eram coisas entre meninos e meninas: na nossa turma, na TV, nos filme, no mundo (…).” – Página 16

Criando um contexto interessante ao redor da protagonista, o livro escrito por Emily M. Danforth procura entender como as pessoas reagem às tragédias, assim como reagem ao “diferente”. Ao estabelecer uma narrativa que transborda nostalgia, O Mau Exemplo de Cameron Post ganha um charme que poucos livros apresentam. Acompanhando o desenvolvimento gradual de Cameron e os acontecimentos que movem a trama principal adiante, este livro oferece uma experiencia imersiva, quase tão real quanto a vida dos personagens do livro. A narração em primeira pessoa e realizações incrivelmente pessoais da personagem central fazem a história desenvolver um ritmo e clima próprio, onde será situada um emocionante enredo sobre aceitação e culpa.

“- A Promessa tem um jeito de fazer a gente esquecer quem somos. Mesmo que você estiver resistindo à retórica da Lydia. Você ainda meio que desaparece aqui.” – Página 298

A naturalidade no qual as coisas acontecem e a sexualidade se desperta é um dos melhores aspectos do livro já que este leva seu tempo para estabelecer cada novo aspecto da personalidade de Cameron,  esses aspectos que serão essenciais para a pessoa que ela se transforma durante a história. Introduzindo sua amor por filmes de maneira a conduzir seu luto, mas também para transitar em um novo território de sua personalidade, O Mau Exemplo de Cameron Post  mostra como sabe criar uma jornada emocional naturalista. Este aspecto da vida de Cameron – os filmes que são seu escapismo – representa muito bem a importância da representatividade, já que a falta desta pode levar à culpa por ser aquilo que não é divulgado (positivamente), então considerando errado e/ou exótico.

“Eu sabia que ela era uma atriz interpretando um papel, mas, ainda assim, era algo pelo qual eu estava passando. Sentia que precisava de algo oficial que me mostrasse como deveria sofrer, como deveria agir, o que deveria dizer – mesmo que fosse apenas um filme idiota sem uma ponta de realidade.” – Página 39

Cameron é uma personagem muito intrigante – assim como todos os outros do livro. O Mau Exemplo de Cameron Post tem uma maneira interessante de introduzir personagens, os introduzindo na rotina sutil do dia-a-dia. Enquanto a história vai se desenvolvendo, os personagens também começam a ganhar importância, assim como na vida real. Seus papéis na vida de Cameron e o que eles representam em seus momentos de transformação pessoal é algo que o livro faz com muito sucesso, se esforçando para criar uma motivação pessoal para cada um. A trama não apresenta antagonistas ou vilões, apenas pessoas fazendo o que acreditam ser o melhor.

“No entanto, minha tia também estava errada. Havia mais de um mundo além deste; existiam centenas e centenas deles, e pelo preço de noventa e nove centavos cada, eu podia alugar todos.” – Página 43

Mas assim como todos fazem o que acreditam, O Mau Exemplo de Cameron Post apresenta muito bem a ironia por trás das crenças e consequentemente o preconceito e a intolerância que estas podem causar. O dano da imposição de ideais e moralidade é representado com cenas simbólicas muito bem narradas pela protagonista. A intimidade dos relatos de Cameron Post a respeito das pessoas e das situações à sua volta é um exemplo de como o livro lida com o tema pesado e delicado. Ao em vez de designar culpa aos personagens periféricos, a escritora encontrou uma maneira de sistematicamente simpatizar com todos na vida da protagonista, dizendo bastante sobre o ambiente no qual vive, mas também sobre a própria personagem.

“Porém, todas as vezes, não importava a tentativa, acabei me sentindo um pouco falsa, como se estivesse fingindo ter uma relação com Deus, como qualquer criança brincando de casinha, ou de compras, ou de qualquer coisa.” – Página 42

O livro apresenta parágrafos e capítulos longos que merecem ser apreciados com calma. Assim como a jornada gradativa de Cameron, o leitor é convidado à acompanhar uma história com seu próprio ritmo, que prende, e que também possui um efeito duradouro graças ao ambiente muito bem criado pela autora. Os diferentes cenários e as diferentes épocas nas quais vivemos juntamente com Cameron são uma maneira de mostrar a transição da personagem e sua jornada emocional, esta que é tão importante para uma realização final, com uma bela mensagem sobre aceitação e superação. Com certeza é um livro que merece ser conferido!

Leia também

Comentários