RESENHA: Neve e Cinzas
04 ago

RESENHA: Neve e Cinzas

Resenhas

Myrna Ariel

Título: Neve e Cinzas
Autor: Sara Raasch
Editora: Harper Collins
Gênero: Fantasia / Romance
Número de Páginas: 316
Skoob

Adquira Aqui: Saraiva / Livraria Cultura

Sinopse: Dezesseis anos atrás o Reino de Inverno foi conquistado e seus cidadãos, escravizados, sem família real e sem magia. A única esperança de liberdade para o povo do reino jaz nos oito sobreviventes que conseguiram escapar, e que seguem esperando uma oportunidade para recuperar a magia de Inverno e reconstruir o reino. Meira, uma órfã desde a derrota de Inverno, passou a vida inteira como refugiada, criada por Sir, o general dos inverninos. Treinando para se tornar uma guerreira — e desesperadamente apaixonada pelo melhor amigo e futuro rei, Mather —, Meira faria qualquer coisa para ajudar o Reino de Inverno a retomar seu poder. Então, quando espiões descobrem a localização de um medalhão antigo capaz de devolver a magia ao reino, Meira decide ela mesma encontrá-lo. Finalmente ela está escalando torres e lutando contra soldados inimigos como sempre sonhou. Mas a missão não sai como planejado, e logo Meira se vê mergulhada em um mundo de magia maligna e poderosos perigosos. De repente, ela percebe que seu destino não está, e nunca esteve, em suas mãos. A estreia de Sara Raasch é uma fantasia cheia de ação sobre lealdade, amor e a capacidade de determinar o próprio destino. 

Reinos, magia, batalhas, romance, tudo isso em um lugar que algum dia teve paz… O continente de Primoria é dividido em oito reinos, quatro Ritmo e os outros quatro Estação. Os Reinos Estação são divididos em PrimaveraVerãoOutono e Inverno, sendo que o clima que se instala durante todo o ano em cada território é referente ao nome do reino, enquanto os habitantes dos Ritmo precisam passar por todas as estações do ano. Uma das principais características de Primoria é a magia, onde há algum tempo atrás cada governante dos oito reinos decidiram que o melhor seria que as habilidades magicas fossem passadas de geração para geração, então eles levaram objetos até a fonte da força magica, que até então se encontrava nos reinos Estação, e aqueles objetos se tornaram fonte de grande poder, sendo assim, apenas um descendente – ou condutor, como dizem no livro – poderia governar cada região dali a diante. Foram quatro homens e quatro mulheres, onde os reinos governados por esses quatro homens só teria condutores do sexo masculino, e os das quatro mulheres, apenas condutores femininos.

Toda vez que um grande poder é colocado nas mãos de humanos sempre existe aquele que tende para o lado da ganância, e foi o que aconteceu com Angra, o governante de Primavera. Do dia para noite Inverno já não pertencia mais a rainha Hannah, e o seu colar, fonte de magia do reino gelado, foi partido ao meio. Os invernianos foram escravizados, e rapidamente a neve branca ficou coberta pela carnificina e pelas cinzas. De milhões de habitantes, vinte e cinco conseguiram escapar, entre eles dois bebês, Mather, filho da rainha Hannah e herdeiro de Inverno, e Meira, uma garota que acabará de ficar órfão.

Os vinte cinco invernianos tiveram que se virar para sobreviver, mas aos poucos o número de pessoas foram caindo e o medo batendo na porta, eles poderiam ser a única solução para o seu povo. Os dois bebês se tornaram adolescentes, Meira e Mather cresceram juntos, o garoto aprendendo tudo o que devia, afinal ele era o herdeiro e precisava saber o que fazer para derrotar Angra e libertar Inverno, e a garota sendo treinada para ser uma soldado, para colocar as necessidades do príncipe e do reino acima das suas. Das vinte cinco restaram oito, mas mesmo sendo poucos eles continuaram seguindo o plano: Localizar as duas parte do colocar de Hannah, e após isso, procurar aliados. Mas como eles fariam para utilizar aquela magia? Afinal, os condutores de Inverno são do sexo feminino, e o único herdeiro é um garoto.

Neve e Cinzas nos apresenta a um mundo fantástico muito bem detalhado e abordado. Narrado em primeira pessoa, Meira traz para a história um pouco da sua personalidade que tanto me surpreendeu. Diferente de outras personagens femininas, ela é uma garota guerreira, que quer enfrentar batalhas, mas ao mesmo tempo ela também gosta de se arrumar, colocar um vestido, joias, ou seja, é simplesmente incrível. Geralmente na literatura encontramos esses dois tipos de mulheres separadas, como se não fosse possível um equilíbrio. Esse livro foi muito criticado, pois algumas pessoas não estavam conseguindo suportar a leitura narrada por Meira, muitas vezes ela foi considerada inconsequente. Antes de começar a ler, quando fui procurar a opinião dos outros eu pensava que essa seria umas daquelas histórias de reinos com princesinhas mimadas e quase desisti da leitura – ainda bem que não fiz isso.

No meu ponto de vista, Meira é a personagem literária mais humana que já encontrei entre as páginas de livros, tem momentos que ela age por impulso e outros em que a mente dela está a maior confusão entre o certo e o errado, se deve fazer isso ou aquilo, e existe momentos em que ela decide alguma coisa e uma linha depois ela já se arrepende e decide outra – Quem nunca fez isso que atire a primeira pedra. Ela é, em alguns momentos, impulsiva e não mede as consequências, mas quem não perderia a cabeça em situações como as que Meira passa? São apenas oito invernianos que precisam derrotar um exército gigantesco para salvar o que sobrou do seu reino e fica bem claro que eles farão de TUDO para conseguir Inverno de volta.

Esse primeiro livro tá recheado de informações sobre esse universo tão complexo criado pela autora, e podemos ir fisgando alguns detalhes espalhados pela história, no primeiro capítulo temos um pequeno congestionamento de informações, não que tudo seja jogado de um vez só e sim porque a narração de Meira começa como se já soubéssemos de tudo, então é no decorrer das páginas que conseguimos juntar o quebra-cabeça. Um dos fatos mais interessantes sobre os habitantes dos reinos Estação é a aparência de cada um, as características do povo de cada reino é de acordo com a sua estação, como por exemplo os invernianos são brancos (se não albinos), com os cabelos platinados e olhos azuis, já os habitantes de Primavera tem a pele só um pouco mais escura do que a dos invernianos, cabelos loiros e olhos verdes, e também existe essa diferença de aspecto em Outono e Verão.

Os personagens secundários são bem construídos, conseguimos captar a essência de cada um, e junto com Meira, todos tem um grande desenvolvimento no desenrolar da história, afinal é um cenário de guerra e geralmente aprendemos com os nossos erros e perdas.

Uma coisa que nunca pode faltar em um livro de fantasia é o romance, e desde o início fica claro o interesse amoroso entre Meira e Mather, mas sabe o que acaba acontecendo? Triângulo amoroso. Juro que quase surtei quando vi que isso ia acontecer, mas quase tive um infarto por nada. Acontece sim um triângulo amoroso no meio da história, mas é quase imperceptível, não é algo que fica martelando na cabeça da personagem com que ela deve ficar e que ela está em dúvida, e sim que ela tem um carinho especial pelos dois personagens. Não é um livro com foco principal no romance, ou em ficar torcendo com quem a mocinha vai ficar no final e sim um livro que te faz torcer para que eles consigam libertar todos aqueles escravos invernianos e que enfim voltem para casa em paz.

É um livro fantástico, bem escrito, com uma ótima diagramação e uma capa incrível. Eu super indico pra quem gosta do gênero e de histórias com uma estrutura bem detalhada e complexa, mas também indico pra quem quer se aventurar em um novo gênero. É uma leitura leve, apesar das batalhas sangrentas, mas é um livro que flui muito bem, com um final surpreendente. Sara Raasch mandou muito bem na sua estreia no mundo literário e eu mal vejo a hora de ler o segundo livro dessa trilogia.

Comentários

  • Cássia Lessa

    Já gostei da protagonista, eu gosto de personagens humanos, que agem como na vida real, com qualidades e defeitos. O enredo da história parece ser bem complexo, fiquei curiosa para conhecer melhor esses reinos hahaha

  • LILIAN FARIAS

    O ser humano é imaturo para lidar com o poder e sempre faz merda, a História aí para provar. Não conhecia o livro e gostei da indicação. Diferente do que tenho lido no momento, tem tempo que não me pego numa boa fantasia

  • Tati Aponte

    Reinos e fantasia se misturam com personagens humanos, com suas perfeições e imperfeições. Obrigada pela resenha completa e por nos estimular a ir atrás de boas histórias. Beijso

  • Raíssa Zaneze

    Eu AMO livros de fantasia. E já fiquei louca por ele. Já tinha visto essa capa, mas não tinha lido nada sobre. Fiquei super interessada mesmo. E eu já sei que vou gostar das mocinhas. Sempre acavo defendendo essas mocinhas que costumam ser injustiçadas por suas atitutes (tipo a Mare de A Rainha Vermelha). Sei lá, acho que falta empatia por elas e os problemas qe elas enfrentam.
    Parabéns pelo texto e pelas fotos.

    https://almde50tons.wordpress.com

  • Pedro Beckett

    Eu amo livros de fantasia e como é óbvio a HarperCollins nunca desilude. Parabéns pela resenha e obrigado pela dica :)

  • Ane Karoline

    Eu sempre sou atraída por histórias de orfãos, não sei a razão! Pela sua resenha, muito bem feita e completa, acredito que o livro seja muito interessante! Parabéns!

  • Mariana E.

    Já tinha ouvido falar sobre esse livro, parece ser muito interessante o enredo, adorei a resenha.

  • Andy Vieira

    Estou doida pra ler esse livro e sua resenha me deixou ainda mais curiosa. Sei que vou me apaixonar por essa história. Beijos