RESENHA: Exceção Hostil
10 maio

RESENHA: Exceção Hostil

Resenhas

Victor Tadeu

Título: Exceção Hostil
Autor: Gabriel Godinho Sampaio e Luiz Gustavo M. Pereira
Ilustrador: Luiz Gustavo M. Pereira
Editora:Independente
Gênero: HQ/LGBT/Ficção
Número de páginas: 60

Adquira aqui: Amazon

Sinopse: Deve haver violência para conseguirmos avanços nas lutas contra o preconceito e o ódio que tanto vem se espalhando pela sociedade? Uma criança deficiente pode se tornar uma assassina justiceira? De que forma podemos lutar contra a discriminação?
Essas são algumas perguntas que serão respondidas nas páginas deste Quadrinho de ação e aventura, que vai mostrar a jornada de Acira para se tornar uma heroína como nenhuma outra, uma verdadeira Exceção Hostil!

 

Acira Pereira Sampaio nasceu em 2003 e desde pequena tem uma vida um tanto complicada. Quando criança se dedicava o máximo possível em todos as habilidades em que portava, a luta era um dos esportes que adorava, por isso, carregava títulos importantes dentro daquelas que praticava. Mas, infelizmente um acidente foi responsável por afastá-la de tudo àquilo que gostava, principalmente a única pessoa que sempre esteve ao seu lado, sua mãe.

O acidente de carro foi rápido e inesperado, tudo que Acira lembrava era o borrão e a silhueta do motorista irresponsável que não soube respeitar as leis de trânsito. Como a menina era muito pequena para viver sozinha, ela foi encaminhada para um orfanato aos 10 anos, e lá criou amizade com Niza e William, duas pessoas que sofrem fisicamente e psicologicamente diariamente diante de uma sociedade intolerante e preconceituosa.

Anos passaram e o trio de amigos ganharam uma bolsa de estudo em uma faculdade, onde junto com outras pessoas criaram uma ação social para combater as intolerâncias e um grupo organizado chamado CHUD, na qual o intuito era atacar violentamente todas as minorias da sociedade. Enquanto o grupo de estudantes combatiam a CHUD e os intolerantes que não faziam parte desse grupo, um candidato a presidente dominava os programas de TV com suas frases contraditórias e totalmente incompreensivas.

Após alguns desastres causados por esses agressores, Acira decide fazer de tudo para engessar em uma instituição que luta contra todos os crimes causado na cidade em que vive, por isso, foi designada oficialmente no Esquadrão Especial de 1° Reação. E é nesse grupo de pessoas que lutam para fazer o bem, que Acira encontra formas que combater todos àqueles que prosperaram ódio e violência.

Exceção Hostil é uma HQ escrita por Gabriel G. Sampaio (autor de Exídium) e Luiz Gustavo M. Pereira (autor de Trindade – Uma Jornada Além da Morte), ambos desenvolveram a história que hoje falarei um pouco com vocês. Se você gosta de obras que contém assuntos contemporâneos e com muita inclusão, continue fazendo a leitura dessa resenha, você vai gostar.

Infelizmente vivemos em uma sociedade que porta um grande teor de intolerância pelas minorias, os LGBTQ+, negros, indígenas, pessoas em estado de rua — moradores de rua — e vários outros, sofrem constantemente devido as agressões físicas ou verbais vinda desses agressores. Por outro lado, existem grupos sociais que lutam de todas as formas possíveis tentando combater esse estado decadente de empatia e tentando eliminar o senso comum de pessoas que enquadram nas características de intolerantes.

Apesar de a luta ser muito grande, existem pessoas influentes em vários ramos que acabam martelando dizendo que as minorias não devem ter a atenção necessária, uns até afirmam que elas devem morrer por ser um grande atraso na sociedade. O estado político do Brasil está seguindo esse rumo precário e totalmente emergente, por isso, alguns livros acabam alertando de forma simples e compreensível o rumo que a sociedade brasileira pode tomar.

Exceção Hostil é o exemplo de história que de forma metafórica faz semelhança ao estado atual do Brasil e outros países que vem sofrendo o mesmo ataque de intolerância. Os autores fizeram um grande trabalho ao escrever de forma simples, visível e totalmente compreensiva um problema que muitas pessoas não entendem devido o uso de vocabulário rico em palavras desconhecidas por elas. Apesar de Gabriel e Luiz Gustavo utilizarem um cenário futurista e cheio de novas tecnologias, o foco da HQ não é alterado e colabora para uma leitura recomendada para vários leitores.

Durante a leitura da história, podemos acompanhar um grande número de inclusão dentro da obra; Nela existem personagens homossexuais, negros, deficientes físicos e entre outros. Esse é um dos pontos mais positivos de Exceção Hostil, pois a protagonista é muito forte e, além disso, é uma mulher homossexual — lésbica — e teve a perda do braço e a perna direita devido ao acidente quando pequena. Apesar de Acira ter esses problemas sociais e físico ela não desiste de ajudar o próximo, isso colabora para uma história incrível de superação e representatividade, pois muitas as vezes as histórias colocam homossexual, deficiente físico ou qualquer esteriótipo de fragilidade como uma “pessoa dependente e/ou derrotada”, e, sinceramente não é dessa forma.

As ilustrações de Exceção Hostil foi responsabilidade de Luiz Gustavo M. Pereira e confesso que o trabalho dele está impecável. Os traços definidos estão incríveis e colabora fielmente para uma história um tanto prazerosa, além disso, nas últimas páginas ele deixa um EXTRA para os leitores terem mais conhecimento do processo de criação de alguns personagens. Toda essa ideia informativa deixou a edição da HQ muito rica e bonita, o trabalho dos autores é espetacular, por isso, já foi confirmado a continuação da história, até porque, Acira tem muito o que revelar e essa obra demonstra ser a introdução de uma grande aventura que está por vir.

Para concluir, indico a leitura dessa obra para todos àqueles que desejam ter um conhecimento mais amplo e com facilidade da intolerância muito grande no país em que vivemos. Por outro lado, também indico para todas as pessoas de qualquer idade, porque expandido a riqueza que tem dentro da história podemos colaborar para um futuro com empatia e amor pelos “diferentes”. Mas, e aí, será que Acira conseguiu combater a intolerância? Descubra agora mesmo fazendo a leitura de Exceção Hostil.

Leia também:

• RESENHA: O Meu Melhor Amigo é Gay.
• RESENHA: Não Tão Primos.
• RESENHA: Moletom.
• RESENHA: Submerso.

Comentários