RESENHA: Enterre Seus Mortos
14 maio

RESENHA: Enterre Seus Mortos

Resenhas

Victor Tadeu

Titulo: Enterre Seus Mortos
Autora: Ana Paula Maia
Editora: Companhia das Letras
Gênero: Ficção
Número de páginas: 136
SKOOB

Adquira aqui: Amazon

Sinopse: Uma habilidosa mescla de novela policial, faroeste de horror e romance filosófico, escrito por uma das vozes mais originais da literatura brasileira contemporânea.

Edgar Wilson é “um homem simples que executa tarefas”. Trabalha no órgão responsável por recolher animais mortos em estradas e levá-los para um depósito onde são triturados num grande moedor. Seu colega de profissão, Tomás, é um ex-padre excomungado pela Igreja Católica que distribui extrema unção aos moribundos vítimas de acidentes fatais que cruzam seu caminho. A rotina de Edgar Wilson, absurda em sua pacatez, é alterada quando ele se depara com o corpo de uma mulher enforcada dentro da mata. Quando descobre que a polícia não possui recursos para recolhê-lo — o rabecão está quebrado —, o funcionário é incapaz de deixá-lo à mercê dos abutres e decide rebocar o cadáver clandestinamente até o depósito, onde o guarda num velho freezer, à espera de um policial que, quando chega, não pode resolver a situação. Nos próximos dias, o improvisado esquife receberá ainda outro achado de Wilson, o lacônico herói deste desolador romance kafkiano: desta vez o corpo de um homem. Habituados a conviver com a brutalidade, Edgar e Tomás não se abalam diante da morte, mas conhecem a fronteira, pela qual transitam diariamente, entre o bem e o mal, o homem e o animal. Enquanto Tomás se empenha em salvar a alma, Edgar se preocupa com a carcaça daqueles que cruzam seu caminho. Por isso, os dois decidem dar um fim digno àqueles infelizes cadáveres. Em sua tentativa de devolvê-los ao curso da normalidade, palavra fugidia no universo que Ana Paula Maia constrói magistralmente, os dois removedores de animais mortos conhecerão o insalubre destino de seus semelhantes. Com uma linguagem seca, que mimetiza as estradas pelas quais o romance se desenrola, a autora faz brotar questões existenciais de difícil resolução. O resultado é uma inusitada mescla de romance filosófico e faroeste que revela o poderoso projeto literário de Maia.

Edgar Wilson é um homem insensível que trabalha em uma instituição responsável por recolher animais mortos e moê-los para agilizar na decomposição. Ele passa a maior parte dos seus dias em um depósito com o cheiro totalmente desagradável recolhendo e moendo animais de vários portes, apesar de ser um serviço árduo e um pouco desconfortável, o moço já se acostumou com a rotina e consegue levar a vida tranquilamente diante do trabalho.

Tudo estava seguindo como de costume, até que Edgar encontra na mata o corpo morto de uma mulher já sendo recepcionada por abutres. Apesar de conviver tranquilamente com mortos, o homem decide ajudar o corpo já sem alma e leva para o órgão em que trabalha. Como o depósito aceita somente animais, Edgar acaba cometendo um grande erro ao carregar uma mulher em seu caminhão e, além disso, colocá-la dentro do freezer do trabalho.

Incomodado com a situação, o homem aciona os profissionais que podem ajudar na situação, mas descobre que o rabecão estava impossibilitado de prestar serviço e ele teria que ser responsável pelo corpo que encontrou, caso quisesse, deveria levar ao IML— Instituto Médico Legal. — . Como se a mulher morta não fosse o suficiente, ele encontra outra pessoa também morta, dessa vez é um homem e diante da situação precária do serviço prestado pelo governo, Edgar decide ajudar os mortos da forma que pudesse.

Duas pessoas morreram, ninguém sabe o motivo das mortes e/ou quem foi o responsável por ceifar a vida dessas pessoas, e ao lado do seu amigo Tomás, um padre excomungado, mas que ainda contém dotes para ungir as vítimas de uma sociedade irresponsável, Edgar encara uma missão completamente comprometedora e capaz de danificar a vida profissional de ambos.

Enterre Seus Mortos, de Ana Paula Maia é um livro publicado pela Companhia das Letras em 2018. Com muita filosofia, críticas sociais, uma pegada faroeste e horror, a autora foi capaz de desenvolver uma história incrível e totalmente original. Continue fazer a leitura dessa resenha e saiba mais sobre a obra.

Infelizmente muitos leitores têm o terrível costume de julgar livros pela quantidade de páginas, é muito comum encontrarmos comentários em grupos literários de pessoas dizendo que livros curtos acabam sendo insuficiente para uma história completa, enquanto, os calhamaços acabam carregando características sem necessidade. Talvez você não sabe, mas Ana Paula Maia foi responsável por escrever um livro somente com 136 páginas e não deixou nenhuma ponta solta, sendo objetiva e realista.

“Observava diariamente a vida evoluir para a morte. Para ele, estar na presença de um cadáver o deixava um passo para trás da morte, como se ela não pudesse alcança-lo, pois assim como o fluxo da vida segue sempre em frente, também o da morte avança. (página 13)”

Enterre Seus Mortos é um livro que carrega grandes críticas sociais, na qual aqueles quem tem uma visão ampla e um olhar crítico e atento conseguem identificar sem muito questionamento os assuntos nele tratados. Durante a leitura da obra, os leitores serão apresentados na vida brutalizada de Edgar Wilson, — um personagem presente em outros livros publicados pela autora — convivendo diariamente com mortos e vivos, ele nos proporciona uma experiência incrível nessa obra.

Questionamentos sobre a influência das religiões, com um grande foco na católica, abuso de poder do governo e a irresponsabilidade dos profissionais da saúde são um dos assuntos abordados de forma indireta e/ou direta nessa obra. Diante de circunstâncias reais — para algumas pessoas — Ana Paula Maia utiliza o cenário aparentemente faroeste e pacato, carregado de uma escrita um pouco lenta para apresentar a precaridade e risco que Edgar Wilson está correndo ao lado de seu amigo Tomás.

Seguindo uma vida rotineira, convivendo com mortos, carcaças e colegas de trabalho, Edgar Wilson demonstra ser insensível diante de casos completamente preocupantes. Essa parece ser uma característica do protagonista, mas, tudo indica que o estilo de vida seguido por ele, foi moldada pela sociedade e seu ambiente de convivência, o pobre homem acaba sendo responsável por executar o trabalho de várias pessoas e consegue levar todos os problemas com muita naturalidade, chegando ser sufocante para o leitor.

Apesar de Wilson ser um dos grandes elementos dessa obra, não significa que os outros personagens são apresentados somente para tampar buraco, muito pelo contrário, cada personagem em Enterre Seus Mortos são de extrema importância e carregam uma grande responsabilidade para desenvolver a história de forma engajada e prazerosa. Cada um deles contém seus problemas, a perfeição não é algo encontrado dentro da obra e tudo intervem para uma leitura mais realista e instigante, por isso, recomendamos vocês tomarem cuidado ao fazer a leitura da sinopse, pois ela carrega alguns fatores importantes da história que podem influenciar durante a leitura.

“— O motorista morreu? — pergunta Edgar.
— Sim. Perda total.
— Os animais têm mais sorte. A gente chega sempre primeiro — diz Edgar Wilson. (página 21)”

Como dito a escrita de Ana Paula Maia é um pouco lenta, mas, por outro lado, é engajada e ideal para uma história como essa. Carregada de muita filosofia sobre a vida e a morte, a autora consegue apresentar uma visão para o leitor e escrever cenas mais calma capaz de fazer o leitor desenvolver a filosofia e/ou crítica apresentada algumas páginas anteriores. Além da escrita, o livro também é perfeito, essa primeira edição está incrível e tudo colabora para uma leitura muito prazerosa e significante.

Enterre Seus Mortos é um livro que aborda sobre vários problemas sociais que muitas das vezes preferimos não nos preocupar, contendo muita realidade na qual a autora diz ter sido tudo ficcionais, ou seja, não contém nenhuma referência diante delas. Indicamos a leitura dessa obra para pessoas que têm o interesse em conhecer todo o trabalho desenvolvido por Ana Paula Maia e, além disso, também fica a recomendação para você que gosta de um romance policial, pois a história também contem pitadas de thriller.

Ana Paula Maia

Iniciada no teatro, começou na literatura no início dos anos 2000, trabalhando o o belo e o imperfeito através da realidade ignorada da sociedade capitalista para um espetáculo do estranhamento de figuras exageradamente brutais. Saiba mais sobre a autora clicando aqui.

Leia Também:

• 5 Motivos para ler A Parte Que Falta.
 RESENHA: A Parte Que Falta.
RESENHA: Cartas Secretas Jamais Recebidas.
RESENHA: Últimas Mensagens Recebidas.

Comentários