RESENHA: Ele – Quando Ryan Conheceu James
23 nov

RESENHA: Ele – Quando Ryan Conheceu James

Notícias, Resenhas

Victor Tadeu

Título: Ele – Quando Ryan Conheceu James
Escritoras: Elle Kennedy e Sabrina Bowen
Editora: Paralela
Gênero: Romance Erótico
Número de páginas: 254
SKOOB

Adquira aqui: Amazon

Sinopse: James Canning nunca descobriu como perdeu seu melhor e mais próximo amigo.

Quatro anos atrás, seu tatuado, destemido e impulsivo companheiro desde a infância simplesmente cortou contato.
O maior arrependimento de Ryan Wesley é ter convencido seu amigo extremamente hétero a participar de uma aposta que testou os limites da amizade deles.

Agora, prestes a se enfrentarem nos times de hóquei da faculdade, ele finalmente terá a oportunidade de se desculpar. Mas, só de olhar para o seu antigo crush, Wes percebe que ainda não conseguiu superar sua paixão adolescente.

Jamie esperou bastante tempo pelas respostas sobre o que aconteceu com seu relacionamento com Wes, mas, ao se reencontrarem, surgem ainda mais dúvidas.

Uma noite de sexo pode estragar uma amizade? Essa e outras questões sobre si mesmos vão ter que ser respondidas quando Wesley e Jamie se veem como treinadores no mesmo acampamento de hóquei.

Ryan Wesley e James Canning são amigos de um acampamento de verão, onde alguns jogadores de hóquei passam o tempo para praticar e descansar. Nesse ambiente eles desenvolvem uma amizade bastante fiel e muito prometedora, juntos os garotos já passaram por muitas aventuras, mas durante uma nova experiência desenvolvida em forma de amizade estraga tudo.

Certa noite ambos fizeram uma aposta bastante arriscada, como eles dormiam no mesmo quarto a ideia central do combinado seria mais fácil para ser cumprido. Quem perdesse a aposta teria que chupar o pau do outro, inicialmente a ideia deu certa, mas no momento de realizar a prática sexual a amizade começa a se arruinar devido a situação.

Após quatro anos sem comunicação, Ryan Wesley — novo astro do hóquei — acaba encontrando James Canning em um campeonato bastante acirrado. Apesar de todo o medo da rejeição devido o passado, o menino estava disposto a conversar com o amigo e resolver todo o mal entendido entre eles, mas existia sentimentos no meio de toda a confusão.

Durante a reatamento da amizade, Ryan começa a conhecer melhor James, o que era uma aposta há quatro anos, pode acaba virando um desejo refletido pelos dois. Em um hotel devido o campeonato, os meninos estão dispostos a aproveitar o máximo dos anos perdidos, colocando assuntos e atrações em dias.

“Tinha passado quatro anos com vergonha do que eu havia feito, e agora me dava conta de que devia me envergonha de algo completamente diferente. (página 62)” 

Ele – Quando Ryan Conheceu James, escrito por Elle Kennedy e Sabrina Bowen foi lançado em Junho pela Editora Paralela, um selo editorial do Grupo Companhia das Letras. O livro conta a história de dois amigos se reencontrando após quatro anos afastados, só que agora existem assuntos para ser tratados e questionados.

O erotismo é um dos pontos mais forte deste livro, as autoras Elle Kennedy e Sabrina Bowen conseguiram ser inclusivas ao publicar um romance erótico com a temática LGBT, porém cometeram erros extremamente graves com o público-alvo, tendo a simples capacidade de desanimar algum leitor de continuar conhecendo a história.

Quando falamos de diversidade estamos sempre procurando apresentar pessoas fora do padrão visado pela sociedade, muitas das vezes indo até um pouco além. As autoras conseguiram deixar Ele – Quando Ryan Conheceu James muito decepcionante ao desenvolver personagens portados de preconceitos com à diversidade, chegando desferir piradas com assuntos importantes para àqueles que lutam em prol a comunidade LGBTQ+.

Por outro lado, as cenas com teor erótico desenvolvida por elas é muito bem escrito, elas se mantém conforme vamos fazendo a leitura do livro, sendo traçada por descobertas de atrações e satisfações sexuais. A forma que ambas utilizaram para escrever as cenas de sexos é muito admirável e comunicável, mesmo elas sendo escritoras diferentes, toda a essência e sentimentos ali sentidos são transmitidos sem nenhum problema e/ou dificuldades, fazendo o leitor sentir na pele a tensão dos protagonistas.

“Não tenho dúvida de que curto mulheres./ Mas, aparentemente, também curto homens./  Maravilha. Meu pau é um cara complicado. (página 133)”

Apesar de as partes eróticas do livro serem muito boas, existem assuntos que devem ser questionados individualmente através dele. Primeiramente precisamos entender que o romance é muito fetichizado, isso não é um problema, mas acaba sendo quando esse fetiche é muito forte em homens heterossexuais, isso é muito invaso. Só que, esse pequeno problema — voltando avisar é muito individual — acaba sendo recompensado com a descoberta da bissexualidade, consequentemente quebrando um tabu extremamente presente na sociedade — não tão bem como poderia —, na qual muitas das vezes é vista como intolerância pelos bissexuais.

Escrever um livro com outra pessoa não é muito fácil como aparenta, tem que existir uma conectividade e entendimento entre os autores. Mas, Elle e Sabrina conseguiram trabalhar de forma excecional com esse quesito, sabendo manter a escrita e a interação entre o capítulos, cuja as perspetivas dos protagonistas — Ryan e James — são apresentadas por cada uma delas. O trabalho das autoras são muito é de admirar.

A produção editorial mais uma vez conseguiu ser bastante agradável, a Editora Paralela permanece utilizando aspas (“) no lugar de travessões (—), isso pode ser incomodativo para alguns leitores, mas é questão de costume. A capa do livro não revela muito sobre ele, mas é muito instigante e contém uma combinação de cores bastante aclamadas, e, além disso, a diagramação é muito confortável aos olhos.

Ele – Quando Ryan Conheceu James é um livro com bastante erros, incluindo machismo, e se sustenta apenas com o erotismo presente na história. Esse é o primeiro título de uma duologia e é aquele tipo de leitura que vai irritar ou agradar o leitor, as opiniões são divergentes entre diversas pessoas, mesmo com os problemas cruciais presentes entre os protagonistas.

Leia também:

• RESENHA: O Meu Melhor Amigo é Gay.
• RESENHA: Não Tão Primos.
• RESENHA: Moletom.
• RESENHA: Submerso.
RESENHA: O Amor Está no Ar.

Comentários