RESENHA: Deuses Americanos
12 maio

RESENHA: Deuses Americanos

Resenhas

Julia Giarola

Título: Deuses Americanos
Autor: Neil Gaiman
Editora: Editora Intrínseca
Gênero: Fantasia
Número de páginas: 608
SKOOB

Adquira Aqui: AmazonAmericanasSaraiva

Sinopse: Os deuses e as criaturas mitológicas existem porque as pessoas acreditam neles. Os imigrantes que chegaram aos Estados Unidos levaram consigo espíritos e deuses. Porém, o poder destes seres mitológicos foi diminuindo à medida que as crenças das pessoas foram desaparecendo. No entanto surgiram novos deuses que refletem as obsessões dos americanos como a mídia, as celebridades, a tecnologia, as drogas, entre outros.

A história acompanha Shadow, um ex-condenado que é libertado alguns dias mais cedo da prisão quando a sua esposa Laura Moon e o seu melhor amigo Robbie morrem num acidente de carro, deixando-o completamente só. Shadow, que também está falido, aceita trabalhar como guarda-costas para Mr. Wednesday que parece saber mais sobre a sua vida do que deixa transparecer. Shadow e Wednesday viajam por todos os Estados Unidos para visitarem os colegas estranhos de Wednesday até Shadow perceber que Wednesday é a incarnação do deus Odin. Wednesday está a tentar reunir manifestações americanas dos Velhos Deuses da mitologia antiga, cujos poderes diminuíram com o decréscimo de crentes e adoração, para participarem numa batalha épica contra os Novos Deuses Americanos: manifestações da vida moderna e da tecnologia tais como a internet, a mídia e os meios de transporte modernos.

Ao longo da trama, Shadow conhece muitos deuses e criaturas mágicas, incluindo Mr. Nancy (Anansi), Czernobog e um duende chamado Mad Sweeney que lhe oferece uma moeda de ouro mágica. Shadow lança a moeda no túmulo de sua mulher, o que faz com que ela regresse dos mortos. Laura faz várias visitas ao longo da trama enquanto morta e se prova mais que importante para a história.

Esta é uma história sobre a América, mas é também sobre o mundo inteiro e as culturas que o constrói. A ideia principal do livro é que os deuses são criados por nós a partir de nossas crenças. A adorações e os sacrifícios são o que os alimentam. E assim Shadow, um homem procurando por redenção, é nossa janela para dentro deste novo mundo onde os Velhos Deuses que foram trazidos para a América pelos diversos imigrantes estão lutando para não serem esquecidos.

“Shadow não era supersticioso. Não acreditava em nada que não pudesse ver. (Página.6)”.

A estrutura do livro é dividida entre a história de Shadow e as chegadas de alguns deuses na América. Desta maneira, Neil Gaiman traz uma enorme bagagem sobre variadas culturas e mitologias o que é nada mais que fascinante, além de deixar pistas durante todo o livro sobre o que está prestes a acontecer. Porém todos os acontecimentos são surpreendentes, nos preparando apenas para o mundo que estamos prestes a embarcar.

A chegada dos Velhos Deuses na América nos permite observar o contraste entre a cultura americana e as demais culturas, assim como a dificuldade para se adaptarem ao novo mundo, tanto os imigrantes quanto os próprios deuses. O livro acrescenta uma nova dimensão à história quando explora também um assunto atual que representa a visão de estrangeiros que vêm a América em busca de uma segunda chance, esse que é um tópico mais que discutido ultimamente, abusando o conceito da verdadeira formação dos EUA, uma cultura mesclada construída por seus nativos, mas também por seus imigrantes. Com esta ideia, o livro lançado em 2001 se prova intemporal batendo de frente com a nova noção xenofóbica promovida pelo governo Trump.

“… as Américas se tornaram um símbolo de clemência, de segundas chances. (Página.92)”.

A trama de Shadow e Mr. Wednesday é uma verdadeira viagem pelos EUA. Eles vão para a estrada para procurar os Velhos Deuses espalhados pelo país para convencê-los a se juntar a causa: uma guerra contra os Novos Deuses. Com a noção promovida pelo livro onde os deuses são criados a partir de adoração e devoção, é inevitável que haja uma verdadeira “capitalização da religião”, onde os Novos Deuses como a tecnologia e a mídia são as personificações mais poderosas. Desta maneira Mr. Wednesday está determinado a embarcar em uma luta contra a própria atualidade, junto aos deuses que, agora, estão sendo esquecidos.

“-…Veja só, os deuses morrem quando são esquecidos. As pessoas também. Mas a terra continua aqui. (Página.514)”

Os deuses são alimentados pela devoção, pela atenção de seus devotos, então nesta atualidade onde não conseguimos passar um dia se quer sem nossos preciosos aparelhos telefônicos ou qualquer coisa que seja conectada à internet, podemos adivinhar quem está vencendo. Os Novos Deuses são arrogantes querendo reprogramar uma realidade onde os Velhos Deuses não existem. No livro somos apresentados ao deus da tecnologia, deusa da mídia, assim como muitos outros que tentam constantemente intimidar Shadow e Wednesday. Mas, ao longo da história podemos perceber que eles também temem serem esquecidos neste nosso mundo inconstante, onde, o que veneremos está sempre mudando.

“— Diz a ele que a gente reprogramou a realidade. Diz que a linguagem é um vírus, que a religião é um sistema operacional e que as orações são a mesma coisa que a porra do spam.(Página.53-54)”

Neil Gaiman tem uma voz própria. Ele prepara o leitor para os bizarros acontecimentos da história, o situando a todo momento. A trama flui bem graças às cenas que são bem descritas e personagens desenvolvidos. Cada personagem tem sua própria linguagem o que facilita muita a leitura e distinção de falas. Os diálogos são dinâmicos e extremamente importantes para a história. Nada no livro é feito sem querer, tudo tem um propósito oferecendo ao leitor uma enorme satisfação quando podemos perceber o papel de cada detalhe dentro do desfecho do enredo.

Deuses Americanos é um homenagem às culturas ao redor do mundo. Sua história é fascinante e original, além de ser extremamente aplicável a nossa realidade. Graças a globalização e tecnologia temos contato direto a diversas crenças e religiões, o que é muito importante. A maior ironia é que se isso acontece e você está lendo esta resenha agora graças a internet e seus maravilhosos avanços, quer dizer que os Novos Deuses já ganharam!

Leia também:

Comentários