RESENHA: Drako e a Elite dos Dragões Dourados
15 dez

RESENHA: Drako e a Elite dos Dragões Dourados

Notícias, Resenhas

Victor Tadeu

Título: Drako e a Elite dos Dragões Dourados
Autora: Paola Giometti
Editora: Lendari
Gênero: Fantasia
Número de páginas: 256
SKOOB

Adquira aqui: Lendari Store

Sinopse: Drako, um dragão vermelho, não nasceu como os demais nasciam, nem mesmo aprendeu a voar como os outros. Enclausurado em uma fazenda pertencente à sua criadora, a bruxa Creonice Bruxelas, o jovem dragonídeo tenta compreender o que é o mundo com a ajuda de uma pequena mosca, que tem o hábito de dizer tudo o que pensa. Ao descobrir os planos de Creonice e da Máfia de Feiticeiros para arrancar o couro dos dragões dourados, Drako e o leal amigo terão que se aventurar por terras ameaçadoras e enfrentar inimigos cuja crueldade não conhece fronteiras.

Desenvolvido através de magiquímica, Drako, um dragão vermelho, acaba sendo o oposto que a bruxa Creonice desejava. Os dragões vermelhos são conhecidos por serem bastante intensos e perigosos, porém o dragonídeo Drako acaba sendo totalmente o contrário de toda a fama dos vermelhos, assim, dotando um amor e cuidado por todos os outros.

Desejando se destacar entre os feiticeiros, Creonice começa treinar Drako desde pequeno para se comportar como os dragões vermelhos, consequentemente adaptando-o para enfrentar o Congresso Anual de Feiticeiro, onde diversos feiticeiros participam de uma competição para carregar o título de melhor do ano, e esse vem sendo o maior desejo da bruxa há muito tempo.

O grande dia chega, Drako está totalmente ansioso e com medo, pois nunca teve contato com o mundo fora de sua casa, além disso, ele aprendeu algumas técnicas com o seu recente amigo Zezé, uma mosca muito dedicada e humorada, que começou viver em na orelha do dragão. Ambos descobrem a ideia da bruxa com alguns feiticeiros e isto acaba acarretando ainda mais no nervosismo do dragão durante a competição.

O Congresso Anual de Feiticeiro ocorre de forma acirrada e totalmente impactante, diversos seres presenciam o momento, mas quase ninguém o que alguns feiticeiros andam esquematizando escondidos. Agora, tendo noção do perigo que o plano deles pode causar à sociedade, Drako e Zezé iniciam uma jornada totalmente perigosa e reveladora, podendo colocar a vida de todos em risco.

“— Você não decide nada e não será agora que irá decidir, criatura. Irá a todo custo para este congresso e iremos ganhá-lo. Ontem fui humilhada o bastante numa reunião. Amanhã será o meu dia de vitória , e nenhum outro mago, feiticeiro, bruxo ou dragão irá nos vencer… (página 64)”

Drako e a Elite dos Dragões Dourados escrito por Paola Giometti, é o primeiro livro de uma série que está sendo publicada pela Lendari. O livro conta a história de Drako, um dragão vermelho que foi desenvolvido através de magiquímica por uma bruxa. Dotando articulações divergentes dos outros de sua raça, ele inicia uma jornada totalmente arriscada e prometedora.

Ambientado em um espaço aparentemente medieval, o livro se mantêm nas descobertas de Drako e no desprezo daqueles que vão contra ele, essas ações são responsáveis por desferir diversos momentos incríveis durante a leitura da obra, consequentemente levantando questões reflexivas, algumas ainda presentes em nossa sociedade.

Confiança é um dos assuntos mais presente em toda a história, pois como é a primeira vez que o dragão tem contato com o mundo, ele começa a conhecer coisas novas e pessoas que nunca tinha ouvido falar, assim colocando toda a sua vida em risco. Por outro lado, a questão de confiança só fortalece com as desconfianças que ele tem contra Ceonice, sua tia de criação que mesmo sendo má, ele tem determinados sentimentos por ela.

A construção dos personagens de Paola é um dos pontos muito forte desta obra, ela conseguiu desenvolver protagonistas que marcaram toda a história de formas diferentes. Além disso, todo o cenário criado por ela é muito instigante, como a Sociedade dos Dragões e suas origens, no momento que ela começa a apresentá-los é muito encantador chegando levar o leitor querer conhecer seus templos, costumes e deuses.

“Este foi o melhor elogio que já havia recebido e se sentiu feliz. Alguém o havia chamado de inteligente e as pessoas o reconheceram por isso. (página 81)”

Mesmo com toda a criatividade ao desenvolver os protagonistas, é válido ressaltar que Paola Giometti criou o jovem dragonídeo há 18 anos, quando ela tinha 16 anos. Isso é muito bem visualizado no livro, pois conseguimos perceber como o dragão é bastante original e carrega suas personalidades que em nenhum momento são contraditórias. Por outro lado, seus companheiros, por exemplo a mosca Zezé é um dos pontos que está sempre levantando um humor na história, por outro lado, no início Creonice  também é responsável por isto.

Apesar da autora ter uma escrita muito articulada, boa e nítida, existem alguns pontos que precisamos ressaltar para uma compreendimento acessível aos leitores. Em determinados momentos da história é bastante previsível a conclusão de alguns capítulos, e isso acontece frequentemente quando Drako e Creonice estão participando do Congresso Anual de Feiticeiros. Mesmo com essa questão, o livro não perde a sua originalidade e/ou deixa de ser uma leitura bastante prazerosa, mas pode ser algo que futuramente a autora possa melhorar.

O trabalho editorial realizado pela Lendari é bastante agradável, todo o preparo de capa desenvolvido por Gaby Firmino Freitas e ilustrado por Paola Giometti é admirável, as palestas de cores mesclam de forma muito boa. Além disso, o trabalho interno como a revisão realizada por Barbara Parente e a diagramação de Viviane Cristina, são ótimas para uma leitura totalmente agradável.

Drako e a Elite dos Dragões Dourados é o primeiro livro de uma série escrita por Paola Giometti, o livro é uma excelente opção de leitura para diversas pessoas, principalmente para àqueles que estão começando a ter gosto por fantasias. Carregando aspectos humorísticos, amorosos, aventureiro e, além de tudo, empático, a obra vai nos conquistando aos poucos.

Comentários