CRÍTICA – Vingadores: Guerra Infinita
28 abr

CRÍTICA – Vingadores: Guerra Infinita

Filmes

Julia Giarola

Filme: Vingadores: Guerra Infinita
Título original: Avengers: Infinity War
Data de lançamento: 26 de abril de 2018
Duração: 2h 29min
Direção: Joe Russo, Anthony Russo
Gênero: Aventura, Ação
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Thanos (Josh Brolin) enfim chega à Terra, disposto a reunir as Joias do Infinito. Para enfrentá-lo, os Vingadores precisam unir forças com os Guardiões da Galáxia, ao mesmo tempo em que lidam com desavenças entre alguns de seus integrantes.

Este é o filme que todos estavam esperando! Após dez anos de preparação e legado, a Marvel finalmente trás a história do vilão que vem construindo durante tanto tempo, reunindo os mais amados personagens para uma só aventura. Com um bom estabelecimento de cada um, não há muito o que dá errado neste longa, já que uma das marcas do estúdio é apostar em uma fórmula segura. Dizendo isso não como uma crítica negativa, mas sim como um fato, Vingadores: Guerra Infinita apresenta o que o estúdio tem de melhor: uma trama simples com personagens cativantes.

Ao contrário do enorme sucesso que foi Pantera Negra (confira nossa crítica aqui) no início desse ano, o terceiro filme dos Vingadores da Marvel não tenta ser um thriller político, o que não tem problema algum. Ao em vez de apostar na sofisticação de alguns de seus filmes solos, Vingadores: Guerra Infinita se apoia em seus personagens já bem estabelecidos para contar uma história bem simples que satisfaz os fãs. As diferentes interações e dinâmicas entre os heróis – alguns que se encontram pela primeira vez – é o que faz o filme divertido. O roteiro tem alguns problemas quanto ao ritmo e excesso de fragmentação, mas são essas interações que transformam o enredo de fraco para sólido.

Como todo filme da MarvelVingadores: Guerra Infinita apresenta um tom mais leve, com piadas espalhadas entre as situações inusitadas. Em alguns filmes anteriores o humor pode ter ido um pouco além, exagerando nas caricaturas dos personagens. Neste novo lançamento, porém, quase todas as piadas funcionam, já que se apresentam de forma sutil dentro dos maneirismos dos heróis que tanto conhecemos. As diferentes personalidade se interagindo são o que dão força para esse elemento cômico que o estúdio tanto preza.

Contando com a presença de um elenco excelente, algumas sub-tramas com teor emocional são elevadas graças as respectivas atuações. Entre o extenso grupo de heróis, os destaques são Gamora – e seu passado com Thanos -, Wanda (Feiticeira Escarlate) – e seu conflito amoroso com Visão – e Tony Stark – que mostra mais uma vez a complexidade por trás do líder torturado. Do outro lado há Josh Brolin que apresenta o vilão mais bem desenvolvido da Marvel até agora. O carisma por trás de suas intensões e a faceta mascarada de tirano, ganharam uma nova camada graças à interpretação de Brolin. Thanos tem uma presença ameaçadora durante todo o filme, e é isso que esperamos de um bom vilão.

Um dos maiores problemas do filme, porém, é também como trata alguns de seus personagens. Desperdiçando presenças fortes tais como Viúva Negra e Bruce Banner/HulkVingadores: Guerra Infinita mostra que teve dificuldade ao dividir funções durante esta história. As referências aos outros filmes da Marvel testam um pouco o conhecimento da audiência sobre a mitologia que foi estabelecida nestes últimos dez anos, agradando muitos dos fãs leais que vêm acompanhando atentos (e ansiosos). Mas, apesar de não ser este o propósito, esta nova instalação deixa o público casual um pouco de fora de toda a diversão.

Sem entrar em detalhes mais aprofundados devido aos inúmeros spoilers espalhados pelo filme, vale mencionar a grande decisão final do longa. Explorando uma direção surpreendente e que, de primeira vista parece bem ousada, o elemento de choque só irá funcionar se o universo compartilhado da Marvel tiver a coragem de seguir em frente com a escolha, sem revertê-la na primeira chance que tiver, o que parece mais provável de acontecer. Sabendo um pouco dos projetos que virão a seguir, Vingadores: Guerra Infinita não é tão controverso quanto tentar ser, não deixando de ser bem divertido e sólido! Não deixe de conferir…

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários