CRÍTICA – Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe
13 out

CRÍTICA – Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe

Filmes

Julia Giarola

Filme: Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe
Título original: The Meyerowitz Stories (New and Selected)
Data de lançamento: 13 de outubro de 2017 
Duração: 1h 53min
Direção: Noah Baumbach
Gênero: DramaComédia
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Nova York. Harold Meyerowitz é o patriarca da família, casado com Maureen e pai de Matthew, Danny e Jean. Escultor aposentado e extremamente vaidoso, ele fica satisfeito ao saber que está sendo organizado uma exposição para celebrar seu trabalho artístico. Só que, em meio aos preparativos, Harold adoece e faz com que todos os filhos precisem se unir para ajudá-lo a se recuperar, o que resulta em várias situações que colocam a limpo traumas do passado.

Com pouca divulgação, a Netflix continua lançando cada vez mais conteúdo sem muita cerimônia, provavelmente deixando o material falar por si mesmo. Porém, em meio de um extenso catálogo, alguns títulos ficam difíceis de alcançar o público, esse que muitas vezes não acompanham festivais de cinema independente, muito menos as produções mais discretas. Seguindo uma direção sútil, mas contando com um elenco estrela, Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe é uma história charmosa, que infelizmente tem seu nicho restrito.

Após desastre seguido de desastre, Adam Sandler adquiriu uma fama que será difícil de recuperar. O ator/comediante, juntamente à sua produtora padrão vêm produzindo filmes que são fracassos tanto de audiência, quanto nas críticas. Porém o ator têm sim seu trabalhos honrosos que, devido seu longo currículo “manchado” não serão seu ponto de referência. Sem apostar em piadas baratas nem em feições forçadas, Sandler está em seu melhor quando consegue explorar um contexto mais natural e humano. Assim como em seu trabalho em Embriagados de Amor (2002), sua atuação neste filme é extremamente simpatizante e modesta, o que traz um fleche de esperança na carreira do ator.

O elenco realmente é o que traz a história para um nível superior com atuações elétricas de todos os atores. Tanto a química, quanto as jornadas individuais são bem exploradas com o “casamento” perfeito entre roteiro e personagens bem desenvolvidos. Emma Thompson domina todas as suas cenas mesmo com pouco tempo de tela. Dustin Hoffman é irritantemente charmoso em uma papel extremamente difícil. Adam SandlerBen StillerElizabeth Marvel são um combinação harmônica que gera a relação de estranheza e carinho de uma forma bem interessante. O conjunto faz o filme o que é: um conto moderno e atemporal sobre os problemas familiares e suas consequências.

Com uma clara influência dos filmes de Woody Allen, Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe apresenta um ritmo e um humor peculiar o que restringe bastante seu público, já que todos os aspectos dos filmes são um pouco mais complexos que algumas pessoas estão aptas a lidar enquanto procuram uma comédia para apenas relaxar. Este filme, com certeza, é mais que isso, abstraindo o humor negro e irônico das cenas e ao mesmo tempo refletindo nas relações familiares que geram tanta familiaridade.

Os Meyerowitz: Família Não Se Escolhe é um daqueles filmes que vale a pena assistir pela experiência emocional que gera tanta empatia e relatividade em nossa próprias relações familiares, algo que todos, mais cedo ou mais tarde têm que lidar. O elenco brilha em todas as cenas, algo que já vale sua atenção.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários