CRÍTICA – Infiltrado no Klan
22 nov

CRÍTICA – Infiltrado no Klan

Filmes, Notícias

Julia Giarola

Título: Infiltrado no Klan
Título original: BlacKkKlansman
Data de lançamento: 22 de novembro de 2018
Duração: 2h 16min
Direção: Spike Lee
Gênero: Biografia, Comédia , Policial
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Em 1978, Ron Stallworth (John David Washington), um policial negro do Colorado, conseguiu se infiltrar na Ku Klux Klan local. Ele se comunicava com os outros membros do grupo através de telefonemas e cartas, quando precisava estar fisicamente presente enviava um outro policial branco no seu lugar. Depois de meses de investigação, Ron se tornou o líder da seita, sendo responsável por sabotar uma série de linchamentos e outros crimes de ódio orquestrados pelos racistas.

Balancear tópicos polêmicos em obras de entretenimento – ou como muitos consideram – já é uma tarefa difícil o suficiente. Muitos artistas, porém, vêm o humor como a chave de escape para lidar com certos assuntos, de uma maneira a criar o interesse e então introduzir uma discussão. Com uma dose balanceada de comédia e choque da realidade, Spike Lee mais uma vez lida com a questão racial de modo dinâmico, envolvendo a audiência com risadas e depois os impactando com a triste correlação entre passado e presente.

Com um humor sagaz que usa do absurdo como elemento principal da comédia, Infiltrados no Klan mostra perfeitamente como a realidade ainda pode ser comparada com os erros do passado. Levantando questões polêmicas não apenas sobre posicionamentos políticos, Spike Lee mostra o outro lado da comparação, retirando toda e qualquer máscara da complexidade que tenta encobrir ações claramente cruéis. Mostrando a obscuridade das motivações e simplicidade do ódio, o filme controla essa linha fina entre os dois aspectos da história.

Apresentando o estilo próprio de Spike Lee, Infiltrados no Klan não é apenas a mistura de grandes atores em papéis icônicos e direção sólida, mas também a transição entre entretenimento e arte. Primeiramente, Lee convida a audiência a envolvendo em uma história divertida para depois a mostrar a impactante realidade por trás desta história. Com uma voz poderosa, o cineasta coordena seu filme entre altos e baixos para controlar estas exatas reações.

Mesmo não sendo uma das obras mais marcantes e icônicas do diretor, Infiltrados no Klan se mantém consistente com as outras obras de Spike Lee quando se trata das atuações. Comandado pela forte e natural presença de John David Washington, o longa se beneficia do elenco talentoso para entregar a visão específica do diretor. Apresentando ótimo timing cômico, atores como Adam Driver e Topher Grace, contribuem para o equilíbrio entre humor e impacto social.

Sem perder visão do que é importante e, então destacando assuntos polêmicos, Infiltrados no Klan é mais uma obra para ser conferida neste ano de 2018, se destacando entre uma diversidade de filmes categorizados como “cinema do autor”. Sem o alto teor experimentalista do resto, mas com um olhar mais cuidadoso e sólido do veterano Spike Lee, o longa é uma continuação consistente de toda a carreira do cineasta. Se você gosta do trabalho de Lee e/ou humor negro, não deixe de conferir o longa!

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários