CRÍTICA – Eu, Tonya
31 jan

CRÍTICA – Eu, Tonya

Filmes

Julia Giarola

Filme: Eu, Tonya
Título original: I, Tonya
Data de lançamento: 15 de fevereiro de 2018
Duração: 2h 01min
Direção: Craig Gillespie
Gênero: Drama, Biografia
Nacionalidade: EUA

Sinopse: Cinebiografia da ex-patinadora no gelo Tonya Harding. Durante a década de 1990, ela consegiu superar sua infância pobre e emergir como campeã do Campeonato de Patinação no gelo do Reino Unido e segunda colocada no campeonato mundial. Porém, ela ficou realmente conhecida quando seu marido, Jeff Gilloly, e dois ladrões tentaram incapacitar uma de suas concorrentes quebrando a perna dela durante as olímpiadas de 1994.

Protagonistas interessantes movimentam a história adiante, completando a receita perfeita para um bom filme. Quando se trata da realidade, as situações geralmente são as mesmas: personagens fortes fazem as coisas acontecerem, seja indiretamente ou não. No caso de Tonya Harding, o contexto é um pouco mais complicado, já que aos olhos da mídia ela era a antagonista do mundo dos esportes, mas agora é exposta com outras perspectivas. Entre figuras fortes e controladoras, Eu, Tonya explora a contextualidade dos acontecimentos que rodearam a polêmica da atleta nos anos 90, extraindo junto ao humor uma mensagem positiva e atemporal.

Para aqueles que não estão familiarizados com a polêmica envolvendo Tonya Harding na década de 90, não se preocupe, o filme explica tudo muito bem. Na verdade, utilizando técnicas não-convencionais em histórias biográficas, Eu, Tonya, se beneficia da liberdade de ser original, usando a quebra da quarta parede, múltiplas perspectivas e humor negro para explicar os acontecimentos envolvendo a atleta. Sendo direcionado por depoimentos, o roteiro explora bem as contradições dos relatos reais, as utilizando para construir uma trama interessante que complementa sua mensagem.

Trazendo a mídia em foco, o filme coloca um holofote sobre a realidade por trás da patinação como um esporte e da sociedade, focando em status e classe. Sem santificar Tonya HardingEu, Tonya mostra a importância do contexto de cada história, principalmente quando a mídia está envolvida. As conclusões precipitadas e falta de simpatização com o caráter da atleta são bem explorados durante o longa que ressalta a protagonista como uma pessoa completa e complicada. Assim, como ao mesmo tempo Harding traça seu próprio caminho, a trama também demonstra o histórico de abuso sofrido pela patinadora nas mãos da mãe e do então marido deixando explícito as motivações contextualizadas. Ao explorar essa situação no ponto de vista da vítima, Eu, Tonya passou a ser um filme muito mais complexo que muitos anteciparam.

Utilizando aspectos técnicos para traduzir a história, direção, roteiro e edição se harmonizam com o ambiente satírico criado para o filme. A câmera desliza dentro das cenas imitando a movimentação da patinação. Os cortes bruscos e  dinâmicos destacam a comédia absurda da trama baseada em fatos reais. Isso tudo, ainda acrescido ao ótimo uso de músicas populares formam uma mistura hilária de metalinguagem e drama funcional. A história não desperdiça sua oportunidade de explorar aspectos mais pesados dos acontecimentos, construindo bem o emocional para a audiência também sentir as consequências que Harding teve que enfrentar após o incidente.

Margot Robbie mostra seu talento além do glamour, despindo bem as emoções da atleta nas situações que teve que enfrentar. Allison Janney carrega o humor negro como ninguém, balanceando bem imitação e interpretação, apresentando uma caricatura bem desenvolvida da mãe de Tonya HardingSebastian Stan mais uma vez desaparece tomando decisões ousadas e marcantes para seu personagem. Com tudo correndo bem no ramo da atuações, os relacionamentos entre esses três personagens não poderia ter sido melhor, já que este representa parte essencial do tema principal do filme.

Apesar de um leve CGI durante as cenas de patinação que infelizmente é bem notável, Eu, Tonya é o pacote completo. O fato do filme chamar a responsabilidade de informar não pesou nem um pouco no aspecto da diversão, já que ele é entretenimento do começo ao fim. Com batidas emocionais e comédia vinda de personagens absurdos, o longa com certeza é um dos destaques de 2017 e vale a pena conferir.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários

  • Jéssica Christina

    Gente, como ainda não havia visto nada sobre esse filme? Adoro a Margot, e acho ela uma atriz incrível. Quero muito conferir esse filme pois adoro o gênero, e também acho muito bacana a quebra da quarta parede. Adorei! ♥

  • Barbara Mazzo Cabalero

    Oi.
    Eu ainda não tinha visto nada sobre esse filme. Achei tanto a temática quanto a abordagem muito interessantes.
    Fiquei curiosa e pretendo assistr.
    beijos

  • Gabriela Cerqueira

    Gosto muito de filmes e livros que são biograficos,não conhecia a moça de quem sobre ele fala,mas isso não seria um motivo para eu não assistir,acho lindo patinação artistica e acho que seria um ótimo filme, com certeza irei assistir.

  • Olá!!!
    É a primeira vez que ouço falar do filme e até mesmo da patinadora. A abordagem que o filme traz é muito interessante, além de mostrar o quanto esse mundo de certa forma pode ser bom mas também nos destruir.
    Dica anotada!!!

    lereliterario.blogspot.com

  • cabinedeleitura

    Apesar de ser uma atleta linda, que prática um lindo e luxuoso esporte, não é o tipo de filme que eu assitiria. Mas devo confessar que esse holofote nos bastidores da patinação me deixa curiosa. Deixo o nome anotado, vai que rola.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

  • Aline M. Oliveira

    Quero ver já, tipo ontem! Adorei! Não conhecia absolutamente nada sobre a atleta ou sobre como e carreira dela declinou até o fim, mas o trailer do filme me fez pesquisar sobre ela e sobre sua vida, e quero muito saber a conclusão de tudo. Há tempos não me interessava por um filme biográfico como estou interessada neste.
    Adorei a dica!
    Bjoxx ~ Stalker

  • Dayhara Martins

    Eu não conhecia o filme mas achei bastante interessante, já foge do esteriótipo só pelo esporte que é tratado, pela sua resenha percebi que não é nada clichê e isso definitivamente já me ganhou, não aguento mais do mesmo. Fiquei curiosa em saber como se dá a relação com os pais e quais as marcas deixadas.

  • Matheus Murilo

    Sinceramente não é o tipo de filme que me chama a atenção, mesmo estrelado pela Margot que me fez apaixonar-se por ela em Esquadrão Suicida e criar um forte apreço. Mas conhecia vagamente a história da Harding e me chamou a atenção, o desejo de saber mais sobre a história pode me fazer assistir, vou anotar.

    Abraços!

  • Leilane C. Martins V.

    Olá, tudo bem?

    Não conhecia o filme e não sabia dessa situação. Apesar de não ser o tipo de filme que assisto, por ser uma “bibliografia”, vou dar uma chance para conhecer a história. O trailer é bem interessante.

    Beijos

  • Wellida Danielle

    Eu tinha visto esse filme na lista de lançamentos, mas infelizmente, até o momento, ele não estreou na minha cidade. O único cinema que passa filmes desse tipo está fechado para reforma (iria fechar, mas depois da pressão popular, resolveu reformar somente), então ainda estou à mercê de filmes lançados desde dezembro e nada longas que estão concorrendo ao Oscar, por exemplo.
    Não conhecia essa história e achei interessante a forma com que foi montada. É legal que tenha mostrado o outro lado da moeda, sabe? Que nem tudo é o que a mídia mostra e, ainda por cima, toda a consequência que isso acarretou na sua vida. Já vimos, aqui no Brasil mesmo, como a mídia tem o poder de interferir na vida de outras pessoas (e pode atrapalhar), como foi o caso da Escola Base.
    Depois dessa resenha fiquei animada para assistir. Agradeço a indicação :)

  • Ler, Resenhar e Postar Blog

    Chocada com a frase final da sinopse hahaha. Não sou muito fã de biografia, mas achei interessante os acontecimentos dessa. Nunca tinha ouvido falar sobre essa atleta ou pelas polêmicas envolvidas, mas é algo que vou pesquisar a respeito. Parabéns pela resenha!

    /Juliane

    Ler, Resenhar e Postar

  • Marilena Drigo

    Olá! Eu nunca havia visto nada a respeito desse filme, na verdade nem mesmo da patinadora, rs. Apesar de não ser muito adepta à biografia me interessei bastante, já vou anotar aqui na minha listinha! Beijos.

  • Olá!
    Já assistido ao trailer, mas nunca imaginei que o filme fosse tão impactante assim. Sua crítica foi muito boa, me convenceu a dar uma chance a ele.
    Bjos
    Lucy – Por essas páginas

  • Esse filme parece incrível!!! Estou muito empolgada para assistir também, mas ainda não tive a oportunidade. Com certeza farei isso em breve. Adorei seu post e saber mais sobre essa produção! Acho que irei gostar bastante também :)

    Beijos

  • Maria Luíza Lelis

    Oi, tudo bem?
    Esse filme está na minha meta para assistir em 2018, mas confesso que é apenas por ele estar indicado ao Oscar. Não me despertou muita curiosidade e uma das coisas que mais me desanimaram é essa questão do humor negro. Sinceramente, não sei se teria muita paciência.
    Sua crítica está bastante completa e me deixou mais animada para conferir o filme. Apesar de ainda ter minhas dúvidas por não parecer meu estilo de filme, vou dar uma chance e assistir.
    Beijos!

  • Cristiane Rodrigues

    Oiii!!
    Não conhecia esse filme ainda, mas confesso que é o tipo que eu gosto.
    Pretendo assistir mais para frente com certeza, apesar de ser, digamos assim, uma biografia me interessa conhecer mais sobre Tonya com certeza. Estou bem por fora dos lançamentos de filmes, mas esse chamou a minha atenção. Gostei do trailer.
    Beijos

  • Ivi Campos

    Antes de começar a ouvir os primeiros elogios para com o filme, eu desconhecia, ou não lembrava desta história, mas fiquei bem curiosa com o enredo e ainda mais, com estas formas não convencionais para situar o expetador na história real. Quero assistir.