CRÍTICA – Eu Não Sou um Homem Fácil
13 abr

CRÍTICA – Eu Não Sou um Homem Fácil

Filmes

Julia Giarola

Filme: Eu Não Sou um Homem Fácil
Título original: Je ne suis pas un homme facile
Data de lançamento: 13 de abril de 2018 (Netflix)
Duração: 1h 37min
Direção: Eléonore Pourriat
Gênero: Comédia
Nacionalidade: França

Sinopse: O machista Damien (Vincent Elbaz) acorda em um mundo onde as mulheres e os homens têm seus papéis invertidos na sociedade, e tudo é dominado por mulheres. Ele entra em conflito com La Coach (Moon Dailly), uma poderosa escritora.

Muitas batalhas estão sendo travadas nos últimos anos pela igualdade. Um dos grupos que vem ganhando visibilidade e força é o movimento feminista que ainda não é muito compreendido pelo público conservador. Colocando em cheque os costumes primitivos e patriarcais sobre papéis de gênero e superioridade masculina, o feminismo é mais complexo que muitos pensam. Explorando esse e outros aspectos do sexismo, o novo filme da Netflix destaca muito bem essa difícil, porém importante mensagem de maneira divertida e inteligente, fazendo de Eu Não Sou Um Homem Fácil, um filme que vale a pena conferir.

Contando com a presença de um interessante e cativante protagonista, assim como um excepcional elenco, essa nova comédia francesa utiliza um conceito intrigante para abordar os assuntos por trás do sexismo e do próprio movimento feminista. Uma ideia anteriormente explorada no episódio It’s a Gay, Gay, Gay, Gay World da sitcom americana Ellen – porém a respeito da sexualidade – em 1998Eu Não Sou Um Homem Fácil utiliza uma premissa envolvente para cativar a audiência, infiltrando, então, uma mensagem extremamente positiva sobre os papéis de gênero na sociedade, assim como a luta contra a repressão da mulher como um todo.

Mostrando o real problema do machismo “passivo” no dia-a-dia de nosso protagonista, o olhar patriarcal é revirado de cabeça para baixo revertendo os papéis. Um conceito simples que, bem executado, consegue atingir um novo nível de consciência sobre esses aspectos complexos. A história é muito bem construída, ponderando o humor e a mensagem principal. Eu Não Sou Um Homem Fácil é antes de mais nada uma comédia divertida que conta com seu elenco talentoso e roteiro afiado para entregar boas risadas.

Entrando no aspecto mais polêmico da história e sua mensagem, esta comédia da Netflix oferece um novo ponto de vista sobre o movimento feminista, analisado, agora, debaixo de várias perspectivas. Mostrando que o princípio da luta pela igualdade está entranhado na parceria e colaboração entre homens e mulheres, Eu Não Sou Um Homem Fácil acentua a injustiça de existir uma tirania liderada por um único gênero, seja lá qual for. O meio-termo estabelecido apresenta um tema sofisticado que é o que representa o feminismo e a busca por igualdade antes de tudo.

Revertendo o olhar patriarcal sobre a necessidade obrigatória da manutenção da beleza, assim como aspectos físicos e psicológicos entre as principais diferenças entre os homens e as mulheres, é a igualdade que Eu Não Sou Um Homem Fácil promove. Inserido em uma história cativante e divertida sobre colocar-se a disposição das perspectivas de outras pessoas, esse novo lançamento da Netflix apresenta um final poderoso para uma história que primeiramente parecia ser apenas divertida. Eu Não Sou Um Homem Fácil já está disponível na plataforma da streaming e com certeza merece ser conferido!

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

Leia também

Comentários

  • DidragonX

    Muito bom o filme. A gente não percebe o quanto estamos inseridos nesse machismo “passivo” até ver os papéis totalmente trocados. Muito bom o filme, muito boa a critica.