CRÍTICA – Boneca Maldita
20 nov

CRÍTICA – Boneca Maldita

Filmes, Notícias

Victor Tadeu

Título: Boneca Maldita
Título Original: Sabrina
Data de lançamento: 20 de novembro de 2018 (Netflix)
Duração: 1h  53min
Direção: Rocky Soraya
Gênero: Terror
Nacionalidade: Indonésia

Sinopse: Ao tentar invocar o espírito da mãe em um ritual sinistro, uma órfã desperta um demônio que aterroriza seus tios adotivos.

Um homem fabricante de brinquedos e uma dona de grife, vivem o melhor momento de suas vidas, porém eles tem uma filha adotiva, na qual perdeu a mãe e o pai há pouco tempo. Na tentativa de comunicar com a mãe, a menina acaba invocando um demônio, que muitas das vezes se manifesta através de Sabrina, uma boneca desenvolvida pelo pai adotivo. Consequentemente a família começa a ser perseguida e amaldiçoada pelo demônio, fazendo um inferno em suas vidas.

Boneca Maldita, dirigido e produzido por Rocky Soraya é um terror indonésio distribuído pela Netflix. Nele acompanhamos uma família lidando com a presença de um demônio após a sua invocação, porém existem motivos para a presença de tal. Durante a história acompanhamos a atuação de Luna Maya, Christian Sugiono, Sara Wijayanto e Jeremy Thomas.

Atualmente a Netflix está investindo bastante em lançamentos com nacionalidade indonésia, principalmente em títulos de terror, como recentemente lançado Fortuna Maldita. Apesar de vários longa-metragem dessa nacionalidade carregarem boas produções, Boneca Maldita acaba sendo uma exceção devido os pecados cometidos durante a produção, principalmente com o roteiro fraco.

Carregando referências de outros filmes de terror, Boneca Maldita acaba perdendo a sua originalidade ao passar das cenas, justamente por obter poucas novidades com o desenvolvimento, assim, se igualando com os outros. Alguns elementos utilizados na história lembra muito a franquia Invocação do Mal e seus filmes derivados, mas não chega se rum plágio, somente remete ao longo dos momentos.

Com um terror grotesco e fraco, o filme vai se mantendo com bastante falhas e pontas soltas. — Algumas são esclarecidas na conclusão, mas nem todas. — A abordagem de Charlie, Charlie como ativador de um ritual poderia ser mais explorada, já que o demônio é bastante conhecido por nome e não pode origem, além disso, todas as cenas de invocação presente no longa-metragem acaba sendo inacreditável de tamanho inexperiência do demônio ao atacar as pessoas, é muito previsível.

Apesar de o roteiro ser um ponto bastante negativo desa produção, é muito válido considerar todo o plano de fotografia presente em Boneca Maldita. A produção soube trabalhar de forma muito admirável com a resolução e cores utilizadas para o desenvolvimento visual do filme, apesar das edições gráficas — ou não — envolvendo possessão e a presença de vultos não serem excelente, a fotografia acaba compensando.

Boneca Maldita é um filme de terror sem muitas novidades, mas consegue ser agradável em poucos aspectos, ele não é um título para quem busca terror com teor bastante sombrio. Explorando a ganância e a inveja, o diretor Rocky Soraya consegue nos surpreender em alguns momentos, principalmente na conclusão, que por sinal indica ter continuação.

Nossa nota é:




Assista ao trailer;

Comentários