CRÍTICA – A Caminho da Fé
13 abr

CRÍTICA – A Caminho da Fé

Filmes

Victor Tadeu

Título: A Caminho da Fé
Título original: Come Sunday
Data de lançamento: 13 de Abril de 2018 (Netflix)
Duração: 1h 45min
Direção: Joshua Marston
Gênero: Drama
Nacionalidade: EUA

Sinopse: O Bispo Carlton Pearson (Chiwetel Ejiofor) é um renomado pastor conhecido internacionalmente, que está passando por uma crise na fé. Arriscando sua igreja, a família e seu futuro, ele questiona a doutrina da igreja e acaba sendo marcado como um herege.

O Brasil é um país diverso na qual muitas religiões são recepcionadas pelos habitantes, apesar de ser considerável um estado laico, muitas pessoas importantes em grupo social e influenciadoras dentro do país conseguem contradizer a definição de laicidade e fazem uma lavagem cerebral diante da sua religião. Mesmo com diversas culturas dentro de um só país, o cristianismo acaba reinando em vários locais do Brasil, mas, infelizmente ele também é a mesma religião que comete muitos crimes e atitudes intolerantes dentro de um local laico.

O cristianismo adota a bíblia, uma coletânea com diversos livros na qual os seguidores da religião consideram sagrado e fundamentais para serem recepcionados no paraíso — muitas das vezes nomeado como céu. — Devido a forma que a bíblia fora escrita existem inumeras contradições de um livro para o outro, e, até mesmo dentro de uma só página. Por isso, muitas igrejas acabam pregando doutrinas divergentes e criam um conflito indireto dentro da própria religião.

Encarregado de abordar assuntos interessantes e totalmente importante para uma sociedade intolerante, foi liberado pela Netflix um filme baseado em fatos reais sobre o bispo pentecostal Carlton Pearson (Chiwetel Ejiofor), um grande representante da religião em Tulsa (Oklahoma) que colocou sua carreira em risco nos anos 90 ao mudar sua visão sobre o amor de Deus. O filme é Original Netflix e encontra disponível na no serviço de streaming.

Apresentado em um programa de rádio chamado This American Life, o filme foi dirigido por Joshua Marston e no momento distribuído e publicado pela Netflix. Nessa produção iremos encontrar um elenco com potencial mediano na qual consegue transpassar a mensagem e essência do filme para o público. Com aspectos interessantes e totalmente relevantes, em A Caminho da Fé iremos conhecer a história dolorosa de um bispo lidando com uma crise de fé.

O bispo Carlton Pearson é o protagonista de A Caminho da Fé e conta com uma atuação favorável, ele entra em uma crise de fé após receber a notícia que seu tio cometeu suicídio depois de uma conversa dentro do reformatório em que estava preso, além disso, o fato de indagar sobre assassinato de 800 mil ruandeses da etnia tutsi pela maioria hutu devido a conflitos étnicos também influenciou em questionar sobre o amor de Deus. Com um susto ele ouve uma voz abrindo seu olhar espiritual sobre o amor incondicional portado por Deus e a partir desse momento decide levar a experiência para a igreja.

Carregado com um clima lento e impactante, iremos acompanhar o processo do bispo transpassar a mensagem ouvida — na qual ele jura ser a voz de Deus —, pelo fato de pregar em uma instituição religiosa conversadora a rejeição dos fiéis é imediata e isso reflete perfeitamente na intolerância de alguns cristãos na sociedade brasileira e possivelmente em várias outras. Com um grande foco na nova visão de Carlton Pearson consequentemente começamos a visualizar nitidamente algumas contradições escritas na bíblia.

Religiosos acreditam que devemos exaltar o amor acima de tudo, o cristianismo é baseado no amor, até porque, eles encontram em Jesus o maior exemplo de amor do mundo. Infelizmente esse exemplo não é seguido por muitos e essa falta de compressão é devido a forma que os responsáveis religiosos pregam ou doutrinam suas igrejas. Amar uns e deixar de amar outros, dizer que alguns irão para o “paraíso” e outros para o “inferno” acaba contradizendo a lei fundamental cristã que é o amor, e isso é refletido de forma excepcional em A Caminho da Fé.

Dentro da história encontramos um membro da igreja que se orienta como homossexual, ele reflete a vida de muitos adolescentes que vivem em família religiosa e são pressionados dentro da própria religião, onde ouvem com frequência que àqueles que tiverem relação homoafetiva não adentrarão o paraíso. O adolescente é outro ponto muito marcante de A Caminho da Fé devido ao papel fundamental, representativo e exemplar para os LGBT e a própria religião, assistindo ao filme aprendemos uma lição incrível com o ator.

Com uma trama real, um cenário incrível e assuntos importantes, o Original Netflix acaba sendo recomendado para muitas pessoas, principalmente para àqueles têm vontade em aprender mais sobre o amor tolerante de Deus. É válido lembrar que o filme não induz religião, teoria ou doutrina para nenhuma pessoa, por isso, o final dele é considerável aberto e totalmente tolerante da parte do bispo. Apesar de ser um longa-metragem com exposição de opinião, a produção teve um trabalho incrível em manter o respeito acima de todos os fatores.

Nossa nota é:

Assista ao trailer:

 

Leia também

Comentários