O curioso caso de Andrea Killmore
27 out

O curioso caso de Andrea Killmore

Coluna

Victor Tadeu

Andre Killmore é o pseudônimo de uma escritora que conseguiu ser destaque no catálogo da DarkSide Books no final de 2016. Utilizando esse nome ela foi responsável pela publicação de Bom Dia, Verônica um dos primeiros títulos de um autor nacional da casa editorial, junto com essa obra a editora também lançou Diário de uma Escrava (Rô Mierling) e Ultra Carnem (Cesar Bravo).

Bom Dia, Verônica conta a história de uma escrivã do DHPP (Departamento de Homicídio e Proteção a Pessoa), ela tem 38 anos, é casada e tem dois filhos. Fazendo a leitura dessa obra acompanhamos Verônica Torres resolvendo dois casos que o delegado Wilson Carvana deveria investigar.

Por um lado, uma mulher se jogou do décimo primeiro andar do departamento, logo após de sair em prantos e machucada da sala do delegado. Verônica preocupada pergunta ao homem o que houve e ele pede para engavetar o caso. Alguns dias depois uma outra mulher liga para o DHPP, Verônica atende e desesperada a mulher começa a dizer seu esposo matava mulheres.

Inconformada com toda a situação e tentando deixar se ser invisível dentro do seu ramo de trabalho, a escrivã começa a investigar os dois casos. Porém, em sua jornada para salvar a vida de mulheres diante de uma sociedade bastante machista, ela fica surpresa com a crueldade inimaginável de algumas pessoas.

O lançamento desse livro ocorreu há dois anos, só que até hoje existem diversos leitores aproveitando todo o trabalho de Andrea, e, além disso, questionam-se um pouco sobre a vida da escritora e se toda a história aconteceu de fato. Visando os leitores que carregam essas dúvidas e, ao mesmo tempo, apresentando para aqueles que ainda não conhecem o título, hoje contaremos para vocês um pouco mais sobre essa escritora incrível.

Andrea Killmore é um pseudônimo americano, Andrea é um nome unissex, homens e mulheres podem utilizá-lo e é bastante comum em pessoas que nasceram nos Estados Unidos. Devido a pluralidade do nome, alguns leitores andaram se questionando se Andrea é uma escritora ou um escritor, porém em entrevista com a DarkSide Books o pseudônimo revelou ser uma escritora. Ainda respondendo toda questão do nome, ela afirma que o sobrenome Killmore é referente a história do livro e/ou a história da sua vida.

O anonimato é como uma proteção para a autora, seu passado de uma forma ou outra tem envolvimento com essa obra, por isso até o contato com a DarkSide Books não fora feito por ela. Os advogados de Andrea entrou em contato com a casa editorial e fechou todos os contratos de publicação, inclusive até hoje eles não sabem como é realmente ela.

Bom Dia, Verônica é claramente um livro que levanta visões do movimento feminista, diante de um estado patriarcal é muito difícil as mulheres conseguirem se igualar com os homens, e isso, infelizmente, atinge até mesmo na recepção de denúncias criminais. Isso é muito nítido dentro do livro, se a sororidade de Verônica Torres não falasse mais alto, várias mulheres apresentadas no livro estariam morta. — Algumas realmente morrem.

Leitores de Bom Dia, Verônica

Ainda refletindo na possibilidade da história do livro ter muitos baseamentos reais, é possível afirmar que o livro é muito realista, porém consegue fugir da realidade de muitas pessoas. Os sofrimentos, algumas culturas e, até mesmo, atrações sexuais apresentadas no título, pode ser um choque para muitos leitores, inclusive homens que não acredita na desigualdade de gênero.

Alguns leitores já criaram teorias sobre a vida de Killmore, mas é claro que a escritora não irá concretizá-las, é aparente o risco que ela está correndo ao revelar sua identidade diante dessa história extremamente bem desenvolvida e chocante.

Foi afirmado pela própria escritora que a história não acaba em Bom Dia, Verônica ainda existem diversas passagens que ela pode contar em outro livro. Por isso, durante a entrevista ela informou que só está esperando a DarkSide chamá-la para a criação de uma continuação, assim, dando a esperança de conhecemos mais sobre a tão empoderada e determinada Verônica Torres.

Mas e você, o que acredita que possa ser real ou ficção? Será que Andrea Killmore é Verônica Torres? Deixe nos comentários a sua visão de todo esse anonimato e, além disso, leia Bom Dia, Verônica!


Essa coluna foi baseada na entrevista da escritora com a DarkSide Book, você pode fazer a leitura clicando aqui.

Comentários