Meu marido me proíbe de ler livros com teor erótico
15 nov

Meu marido me proíbe de ler livros com teor erótico

Coluna

Victor Tadeu

Diante de tantos meios de entretenimento, a literatura está conquistando diversas áreas, principalmente o mercado cinematográfico com as centenas de livros que estão ganhando adaptações. Porém, consequentemente essa expansão também está refletindo no conteúdo voltado para o público adulto, ou seja, conteúdos eróticos.

Cada vez mais livros com teor erótico estão sendo lançados no mercado literário, além disso, diversos autores brasileiros também estão recebendo um destaque maior devido esse desejo por conhecer as atrações de personagens fictícios e/ou reais.

Infelizmente junto com o número de títulos de romance para adultos, também está crescendo as reclamações de mulheres em relacionamento. Na maioria das vezes as indignações são exposta devido o marido ou namorado estar proibindo-a de fazer a leitura de qualquer livro erótico, apesar desse quadro aparentar ciúmes, precisamos conversar sobre esse tipo de relacionamento.

Há anos as mulheres andam sofrendo de várias formas possíveis com a censura de homens, isso acontece devido ao sistema de governo que fora adotado na sociedade brasileira, onde inicialmente o homem era considerado cidadão e as mulheres não. Mesmo essa época ser muito antiga, ela ainda carrega traços na atualidade, onde diversos homens acreditam que as mulheres devem ser submissas a eles.

Apesar de ser irônico há anos relacionamentos estão sendo arruinados devido a inimizade criada entre o homem e a mulher, onde o homem tem o papel de vigilância total diante da esposa ou namorada, assim, sempre suspeitando de qualquer atitude vindo dela e muitas das vezes sendo infiéis. Contrariamente, na visão do homem, a mulher precisa ser sempre protegida, fiel e bastante honrada pela família que tem.

Claro, essa visão de relacionamento é o que a sociedade conservadora costuma pregar diante de seus conceitos de família, porém esse companheirismo precisa ser estabelecido limites que não sejam invasivos. Homens consomem conteúdo audiovisual pornográfico frequentemente, mas impede mulheres que tem algum laço de relacionamento consumirem do mesmo, o que torna um problema desenvolvido pela sociedade machista.

Precisamos entender que qualquer ser humano — nem todos — com a vida sexual ativa carrega o desejo de apreciar, ou até mesmo, praticar relações sexuais, apesar de existir um controle INDIVIDUAL diante desse desejo, ele é bastante tentador. Por isso, algumas pessoas procuram diversas formas de arte e entretenimento para absorver esse gosto não-peculiar sem comprometer e/ou atrapalhar outra pessoa.

Quando referimos aos seres humanos, não excluímos as mulheres, elas também nutrem o desejo de consumir conteúdo erótico, e qualquer pessoa que não está interferindo esse desejo na vida dessa mulher, precisa entender que a consumação individual não é tóxica e/ou infiel, por isso, não precisa haver censura. Essa reflexão deve ser levantada frequentemente dentro da literatura, principalmente aos namorados e maridos que proíbem suas namoradas ou esposas de fazerem a leitura de livros eróticos; leitura é individual, não intrometam.

Inclusive a escritora espanhola Megan Maxwell, da série Peça-me O que Quiser, afirmou em uma entrevista com a UOL que homens relataram para ela que fazem a leitura de romance hot escondidos. Ou seja, a hipocrisia persiste em reinar na sociedade, onde uma parcela de pessoas fazem a leitura sem nenhuma censura e outra é reprimida, e, infelizmente essa seleção é feita diante do seu gênero.

Mulheres, não acanhem-se diante de qualquer repreensão, conversem com o parceiro de vocês que isso não é traição. Caso contrário, não deixem de praticar aquilo que gostem para satisfazer o machismo, acreditamos que relacionamento é muito individual, mas qualquer forma de opressão não deve ser válida

O relacionamento não é um laço de censura, muito pelo contrário, em uma relação séria com outra pessoa é necessário a liberdade e a finalidade de agregar benefícios. Caso o seu parceiro esteja te proibindo de consumir livros eróticos, tente convencê-lo que não existe problema, porém, se a situação não amenizar, não pense duas vezes antes de tomar decisões favoráveis a sua liberdade de entretenimento.

Em caso extremo, não pense duas vezes, disque para 180.

Comentários