Janelas da Mente — Jogo Patológico #7
03 out

Janelas da Mente — Jogo Patológico #7

Coluna

Victor Tadeu

Casinos, lotéricas e vários outros estabelecimentos que oferecem jogos de azar para seus clientes, podem ser considerados uma grande porta para o vício de 2 milhões de brasileiros. Tudo começa quando a pessoa tem a incrível sorte de ganhar uma recompensa em algum jogo, e infelizmente o resultado de uma grande conquista acaba sendo a perda de tudo que o ganhador conquistou. Estamos falando de mais um transtorno antigo que pode ser um perigo para os próximos séculos.

Jogo Patológico, esse é o nome do transtorno que afeta a vida de várias pessoas que frequentam casas de jogos. Algumas pessoas afirmam que esse vício é muito referente à dependência química e realmente, analisando as situações são problemas muito semelhantes. Alguns portadores do transtorno jogam para buscar emoções e outros já visualizam os locais como fuga para os problemas, só que tudo isso afeta a vida do indivíduo de diversas formas.

Durante o dia 25 de Setembro até 06 de Outubro, assuntos sobre transtornos da vida moderna serão apresentados aqui no site. Todos os transtorno serão retirados do livro Janelas da Mente, dos autores Ana Beatriz Barbosa Silva e Eduardo Mello Guimarães, o livro foi publicado pela Globo Livros e é uma coletânea de contos.

O conto de hoje chama Mentes Jogadoras e conta sobre Vera e Luiz Paulo, um casal que tornaram milionários após apostarem em casinos de Las Vegas. Acreditando que a sorte estava junto com eles, o casal começa a fazer aposta no Brasil e após perceberem que estão perdendo tudo ficam chocados, mas Vera acaba sendo seduzida pela sorte e sofre um transtorno absurdo, colocando o casal em risco.

Esse é o nosso primeiro projeto em parceria com o selo Globo Alt, aqui não temos o intuito de apresentar a história toda para vocês, muito pelo contrário, o nosso foco é alertar sobre o transtorno e deixar uma frase de efeito, mas independente de tudo, recomendamos a obra para todos aqueles que tiverem interesse. E para manter o costume de sempre, a frase do dia é: NÃO DEIXE JOGOS SEREM PRIORIDADES EM SUA VIDA, TENHA OUTRO OLHAR PARA MAQUINAS DE JOGOS E VISUALIZE QUEM É O VERDADEIRO VILÃO.

ADQUIRA AQUI: Amazon l Submarino l Saraiva

Comentários

  • RUTE COUTO

    o jogo é um vicio assim como tantos outros tem que ser tratado porque a pessoa no fim leva game over e pode ficar sem nada

  • Fabiana Scola

    Tudo que se torna descontrolado passa a ser um problema e com jogos não pode ser diferente.As pessoas perdem a noção da realidade, perdem a noção se estão prejudicando os que estão ao redor.
    Assim como as drogas ou qualquer outro tipo de vicio, precisa ser controlado com ajuda de profissionais caso se perda o controle. Não tenho convivio com esse tipo de situação então nao tenho muita base para falar disso

  • Lu Errera Leite

    Eu conheci uma pessoa compulsiva por jogos de azar,na época eram aquelas maquininhas que levam todo seu dinheiro,a pessoa em questão apostava somas enormes,ganhava algumas vezes,mas perdia na maioria, é muito triste ver um ser humano perder o controle de sua própria vida assim!

  • rudynalvacorreiasoares

    Victor!
    Hoje mesmo vi uma reportagem no programa da Ana Maria Braga que falava sobre os jogadores compulsivos e como tudo atrapalhou suas vidas e como adquiriram outros vícios através dos jogos, muito triste e deprimente.
    Atrapalha a vida em todos sentidos, relacionamentos, emprego e claro a parte financeira, tem de ter acompanhamento de especialista para conseguir sair da situação.
    Que outubro venha carregado de boas energias!
    “O tempo é teu capital; tens de o saber utilizar. Perder tempo é estragar a vida.” (Franz Kafka)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

  • Renata Lima

    Meu pai foi viciado em jogo, apostas por dez anos. Realmente é como ter um dependente químico em casa. Ele apostava o salário inteiro assim que recebia, vendia as coisas de casa pra poder jogar. Depois perdia tudo e tinha vergonha de voltar pra casa. Foi uma época muito difícil pra toda a família, mas graças a Deus hoje os tempos são outros. <3