Janelas da Mente — Hipersexualidade #8
03 out

Janelas da Mente — Hipersexualidade #8

Coluna

Victor Tadeu

O desejo sexual é um comportamento muito comum nas pessoas, principalmente nos adolescentes que estão com os hormônios à flor da pele e fazem de tudo para experimentarem novos atos. Apesar de não parecer, algumas pessoas não conseguem se controlar mentalmente e fisicamente quando o assunto é “sexo” e, infelizmente essa obsessão acaba tornando mais um transtorno diante de tanta facilidade para ter contato com conteúdos sexuais e acaba sendo mais um problema para a vida moderna.

Existem vários nomes para definirem esse transtorno, como Compulsão Sexual, Hipersexualidade, um tipo de TOC — Transtorno Obsessivo Compulsivo por Sexo — e vários outros. Elas são manifestadas em pessoas que priorizam atos sexuais, assim deixando acarretar em várias áreas da sua vida, principalmente a financeira e nos relacionamentos sociais.

Para quem acompanha o Desencaixados já deve saber que entre o dia 25 de Setembro até 06 de Outubro estaremos falando sobre transtornos futurístico — provavelmente atuais — que estão sendo apresentados no livro Janelas da Mente, de Ana Beatriz Barbosa Silva e Eduardo Mello Guimarães. O livro foi publicado pela Globo Livros e esse está sendo o nosso 1° projeto em parceria com a Globo Alt.

Mentes Sexualizadas é o oitavo conto do livro, nele iremos conhecer um casal muito aberto para novas experiências, César e Luciana fazem de tudo para inovar na hora do ato sexual de brinquedos eróticos a convidados exclusivos o casal não se limita. A situação só começa ficar séria quando um deles experimenta algo que muda definitivamente o relacionamento “aberto” que tinham e o resultado não é nada agradável.

Já estamos no oitavo dia e recebemos alguns e-mails de pessoas agradecendo pelas frases motivacionais que sempre estávamos deixando no final da matéria. Estamos muito felizes em saber que o projeto está influenciando positivamente na vida de algumas pessoas, por isso não podemos deixar de alimentar o costume. A frase do dia é: SEXO É UM ATO PRAZEROSO, MAS REQUER CAUTELA, NÃO SEJA MAIS UM “TARADO” DIANTE DE UM MUNDO TÃO PERIGOSO!

ADQUIRA AQUI: Amazon l Submarino l Saraiva

Comentários

  • RUTE COUTO

    Realmente vemos hoje em dia muitas pessoas buscando o prazer de diversas formas ,infelizmente tem muitos descuidados se jogam em qualquer coisa pelo prazer sem ao menos conhecer o perigo sempre está presente é preciso cautela nossa vida é muito preciosa para abrir mão dela por apenas sentir prazer

  • Fabiana Scola

    Pois então sou a favor de TUDO, desde que esteja bom para ambas as partes.Num relacionamento quanto mais intimidade melhor, lealdade e sinceridade devem ser presentes. Quando a sexualidade o casal deve se acertar independente dos padrões.
    Mas como tudo isso também pode cair fora do controle, assim como aconteceu com o casal do conto.Sempre se pode perder o rumo se não tiver foco.Um deles quis experimentar algo diferente do que tinham acordado e não deu certo,ai foi o “pecado” dele. Complicado reverter uma caso de quebra de acordo, o outro nunca mais vai confiar, sempre vai haver desconfiança.
    Esse tipo de relacionamento pode ser muito enriquecedor, porém o risco está na mesma proporção.

  • rudynalvacorreiasoares

    Victor!
    Já imaginou viver sexo 24h por dia? Viver com o pensamento voltado exclusivamente para satisfazer suas necessidades físicas com sexo?
    Deve ser algo bem perturbador, sem contar que acaba tornando a promiscuidade do ato valorizada e tornando a pessoa totalmente dependente.
    É mais um vívio prejudicial que precisa ser tratado.
    Temos vários exemplos no mundo artístico e os pareceres são dolorosos.
    Que outubro venha carregado de boas energias!
    “O tempo é teu capital; tens de o saber utilizar. Perder tempo é estragar a vida.” (Franz Kafka)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE OUTUBRO 3 livros, 3 ganhadores, participem.

  • Renata Lima

    Acho que dos transtornos abordados esse foi o que mais me surpreendeu, talvez por nunca ter ouvido falar de sexo como transtorno.