Filmes com temática LGBT
28 maio

Filmes com temática LGBT

Coluna

Julia Giarola

Após discutir a falta de ousadia em Hollywood, está na hora de celebrar aqueles que quebraram barreiras com filmes inovadores e ambiciosos sendo corajosos o suficiente para abordarem temas que recebem tanto retalhamento de grandes massas do público. Sem medo de falhar nas bilheterias ou até mesmo receber ódio de audiências conservadoras, os cineastras por trás deste grandes filmes apenas se preocuparam em contar uma boa história, o que é um enorme presente para toda a comunidade LGBT.

Abaixo, confira 10 dos melhores longas com a temática LGBT:

O Segredo de Brokeback Mountain

Jack e Ennis se conheceram em Wyoming, no verão de 1963, quando foram trabalhar para um rancheiro que criava ovelhas. Naquele ambiente solitário nas montanhas, eles acabam tendo um rápido contato sexual. Quando o trabalho no rancho acaba, cada um segue seu caminho. Ambos casaram e vivem com suas respectivas esposas. Por muitos anos, não se veem até que um dia, eles começam a marcar encontros esporádicos e mantêm um caso amoroso durante uns vinte anos.

Ang Lee consegue contar uma história moderna de maneira clássica. Suas inovações, porém, não pararam apenas aí, pois além disso conseguiu quebrar tabus ao representar dois amantes que como cowboys, um dos maiores símbolos da “masculinidade” norte-americana. Ele também contou com a presença de excepcionais atuações de Heath Ledger e Jake Gyllenhaal, que também se juntaram a esta incrível jornada

Meninos Não Choram

A história da vida de Brandon Teena, uma mulher que escolhe se passar por homem. Ela começa um caso de amor com uma mãe solteira da zona rural de Nebraska e sofre trágicas consequências como resultado da descoberta de sua transexualidade.

Uma história incrivelmente difícil de ser contada conta com a presença de Hillary Swank que carrega as emoções durante todo o filme. Sua atuação poderosa ajudam o longa a se estabelecer sobre um assunto tão delicado e tão emocionante. A interpretação de Brandon Teena rendeu a atriz seu primeiro Oscar que foi nada menos que merecido. A trama é emocionante e audacioso foi baseada é fatos reais, sendo ainda mais impactante!

Azul É a Cor Mais Quente

Adèle é uma adolescente que enfrenta os desafios da chegada da maturidade. Sua vida toma um rumo inesperado ao conhecer uma encantadora garota de cabelo azul, com quem começará uma intensa relação e uma viagem de descobertas e prazer.

O filme francês espantou diversas pessoas ao apresentar cenas fortes e gráficas de sexo. Porém estas são o que faz o filme tão especial e inovador. Querendo impactar a audiência o diretor representou uma realidade na vida de uma jovem que tem que enfrentar sua sexualidade, além de explorar dificuldades do relacionamento com a nova namorada e as pessoas ao seu redor. Utilizando tons de azul, o filme consegue também contar uma história visual coordenando as emoções de todo o enredo. As atuações estão impecáveis e as atrizes possuem um incrível dinâmica juntas, dando ainda mais sentido à intimidade da história.

 

Minhas Mães e Meu Pai

Jules e Nic são lésbicas que vivem juntas há quase 20 anos e têm dois filhos adolescentes chamados Joni e Laser, concebidos por meio de inseminação artificial. Sem o conhecimento de suas mães, os dois vão conhecer o pai biológico, Paul, um proprietário de restaurante. As complicações surgem quando os adolescentes, que criaram laços afetivos com o pai, o levam para fazer parte do cotidiano da família.

A história explora um novo aspecto da vida da comunidade LGBT representando um casal que usa a inseminação artificial para ter filhos. O filme demonstra as dificuldades que estas mães têm que enfrentar neste aspecto de suas vidas como uma família e também em seu relacionamento. Muito da qualidade do filme está nas atuações, principalmente das veteranas Julianne Moore e Annette Bening.

Carol

Therese Belivet tem um emprego entediante em uma loja de departamentos. Um dia, ela conhece Carol, uma elegante e misteriosa cliente. Rapidamente, as duas mulheres desenvolvem um vínculo amoroso que terá consequências sérias.

Este filme incrível conta a história de duas mulheres que tem que lidar com as imensas dificuldades de terem um relacionamento em uma época que a homossexualidade não era se quer entendida. A trama explora os conceitos de família com sutileza, enquanto uma das protagonistas tem que escolher entre viver verdadeiramente e sua filha. Cata Blanchett e Rooney Mara estão simplesmente perfeitas no filme com interpretações sutis e íntimas. O longa é também visualmente lindo, apresentando uma fotografia que chega aos pés das atuações em si!

Milk: A Voz da Igualdade

Em 1972, Harvey Milk e seu namorado Scott Smith, mudam-se de Nova York para São Francisco. Milk, determinado a fazer algo importante em sua vida, abre uma loja de câmeras no distrito de Castro e ajuda a transformar a área em um ponto de encontro para gays e lésbicas. Em 1977, ele torna-se o primeiro homossexual assumido da nação eleito para um cargo público, quando assume um cargo no Conselho de Supervisores. No ano seguinte, ele é morto a sangue frio por Dan White.

Este filme acompanha as verdadeiras batalhas que Harvey Milk teve que enfrentar para conquistar direitos para a comunidade LGBT. Sean Penn embarca nesta jornada de corpo e alma, se transformando em seu personagem.

Orgulho e Esperança

No ano de 1984, durante o período de Margaret Tatcher no poder, os mineiros decidem entrar em greve. Um grupo de ativistas homossexuais começa a trabalhar para arrecadar dinheiro para a família desses trabalhadores. O problema é que a União Nacional dos Mineiros parece um pouco constrangida em receber essa ajuda. Mesmo assim, os ativistas não desanimam e se mostram dispostos a vencer preconceitos para poder ajudar essas pessoas.

Este filme britânico conta com a presença de um enorme e maravilhoso elenco. A comédia sutil ajuda o filme a rebater o ódio que está representando junto a seus atores carismáticos. O longa é divertido e muitas vezes emocionantes.

Transamérica

Prestes a realizar uma cirurgia para mudança de sexo em Nova York, a travesti Bree descobre que tem um filho adolescente e problemático. Aconselhada pela psicóloga a resolver essa questão antes da operação, Bree vai encontrá-lo em São Francisco.

Outro filme com uma trama extremamente delicada, consegue lidar com tudo brilhantemente. Felicity Huffman lidera a trama com a sutileza de sua atuação e incrível fisicalidade para o papel. Tendo que lidar com os problemas da transexualidade, o longa explora este tema demonstrando brilhantemente a falta de conhecimento de diversas pessoas sobre o assunto.

Filadélfia

O advogado Andrew trabalha num conceituado escritório de advocacia. Quando descobre que é portador do vírus HIV, é despedido sumariamente. Ele então contrata os serviços de outro advogado para processar a companhia.

Este filme explora a homofobia e a aids. Tom Hanks ganha seu primeiro Oscar interpretando Andrew que tem que lutar por seus direitos quando ele é submetido ao preconceito. Esta jornada é incrível, emocionante e simplesmente audaciosa para a época. O longa de 1993 não tem medo de explorar os temas mais sombrios do assunto sabendo de sua importância. Com isso, a história é poderosa e emocionante do começo ao fim se tornando imperdível!

 

 

Victor ou Vitória?

Na Paris de 1930, a cantora lírica Vitória, desempregada, tem a ideia ousada de se passar por um homem transformista, chamado Vitor, para conseguir um emprego e acaba atraindo a atenção de um mafioso, que fica confuso com a sexualidade da moça.

O filme mais antigo desta lista, pode ser talvez o mais revolucionário. O diretor de comédia Blake Edwards consegue fazer algo sem precedentes que é mesclar uma temática delicada (principalmente em 1982) com uma comédia musical divertida. Desta maneira ele conseguiu chamar atenção do público que se diverte tanto com o filme que se esquece dos grandes elementos sobre a comunidade LGBT. Os diálogos sobre sexualidade são sutis o suficiente para passarem despercebidos pelos conservadores, mas poderosos os suficiente para encravarem em seu subconsciente. Julie Andrews está encantadora como sempre e trata os diálogos com classe e carisma!

Menções Honrosas

Abaixo, separamos duas menções honrosas mais descontraídas com a temática LGBT. Confira:

Nunca Fui Santa

Megan o protótipo da líder de torcida americana: linda, popular, tira boas notas e sai com o capitão do time de futebol. Um dia, porém, seus pais resolvem salvá-la de um possível desvio sexual, uma vez que ela vegetariana, tem um pôster da Melissa Etheridge no quarto, abraça demais suas amigas e foge dos beijos do seu namorado. Os pais de Megan decidem por enviá-la para o campo de homo-reabilitação “True Directions”, dirigido pelo ex-gay Mike, que possui um programa infalível de “cura”, em cinco passos.

Imagine Eu e Você

No dia do seu casamento, Rachel conhece a florista Luce e sente uma forte atração por ela. Ao se reencontrarem, a amizade entre as duas cresce tanto quanto as dúvidas de Rachel em relação ao marido. Ao saber que Luce é gay, sua vida vira do avesso.

Deixe um comentário dizendo o que achou das indicações, caso você já assistiu algum dos filmes nos conte o que achou.

Leia também:

Comentários