Até onde a literatura pode influenciar suas atitudes?
12 nov

Até onde a literatura pode influenciar suas atitudes?

Coluna

Victor Tadeu

Há anos uma imagem frequentemente repercute nas redes sociais ao apresentar a vida de uma mulher antes e após o seu contato com a leitura de um livro. Sabemos que imediatamente a interpretação de várias pessoas é condizente a mensagem passada, porém, existem interpretações um pouco mais amplas que acabam envolvendo discussões na íntegra.

Até o momento nós não sabemos quem foi o/a ilustrador(a) dessa charge, por isso, ficaremos devendo essa informação nessa coluna, só que se você souber, por favor, deixe nos comentários para adicionarmos os créditos.

Ao analisarmos a imagem presente na parte em destaque da coluna, podemos entender que a protagonista ao agregar a literatura em sua vida, tomou um estilo totalmente diferente de vida, inclusive mudando suas vestimentas e outras características físicas nitidamente expostas. Consequentemente levamos em consideração que a literatura é capaz de transformar a vida das pessoas, o que todos nós concordamos, mas, até onde essa transformação pode chegar?

É notório observarmos como a sociedade carrega conceitos machistas, sejam esses conceitos transpassados por homens ou mulheres, infelizmente é muito imprevisível uma pessoa ser isenta dessa intolerância e/ou pensamento quando cresce em uma sociedade que prega a submissão das mulheres em todo o momento. Além disso, existem diversos fatores que colocaram as mulheres em situações muitas das vezes não agradáveis — isso é muito particular —, como o forte padrão de beleza imposto.

Diante de tantas discussões e confirmações sobre a visão da sociedade em relação as mulheres, é aceitável afirmamos que existe uma grande cobrança, muitas das vezes fútil e invasiva, na vida particular dessas mulheres. Exatamente por essa questão, precisamos entender como essa ilustração conseguiu ultrapassar dos limites e levantar indagações de como a literatura consegue influenciar nossas decisões.

Acreditamos que as questões aqui levantadas são válidas para todos, independente da identidade de gênero e/ou orientação sexual, pois precisamos falar como a literatura é importante em nossas vidas e, além disso, deixar claro as limitações de suas influências.

Algumas pessoas afirmam que ler ajuda a cruzar a fronteira da ignorância, inclusive também existem charges na internet afirmando essa teoria. É certo que a literatura tem um grande poder de agregar conhecimento em nossa vida, seja conhecimento filosófico, científico, teológico e entre outros, porém precisamos estabelecer que tipo de transformação é válida e aceitável.

Recentemente escrevemos uma coluna demonstrando como ler pode influenciar em nossa escolha de voto, assim, estourando a nossa bolha social e nos mostrando um conceito mais amplo de sociedade, política, individualidade e entre outros assuntos muito importantes e abordados em alguns títulos do mercado editorial brasileiro.

Só que, a leitura de qualquer livro de bastante informação automaticamente não torna o leitor uma pessoa inteligente, ele pode adquirir algum conhecimento da obra, porém a interpretação é o que manda em toda a sua experiência. E, apesar de não aparentar, a charge da mulher é requisita de uma interpretação muito sincera e condicional, levantando toda a questão do machismo presente na sociedade e como o padrão de beleza e/ou preconceito pode ser um grande problema nela.

Será que é necessário uma pessoa andar coberta por tecido e carregar o esteriótipo de “geek” para demonstrar ser uma excelente leitora? Infelizmente, afirmar essa pergunta consequentemente nos enaltece um preconceito bastante forte, na qual as mulheres que optam por utilizar roupas curtas não tem nenhum conteúdo relevante, tudo isso julgado por suas vestimentas e/ou aparência. — Isso é um pré-conceito, uma ideia concebida ao ver a pessoa.

Se a interpretação é um grande ponto da literatura, em seguida podemos afirmar que ela pode ser influenciável em nossa leitura, assim, nos apresentando conhecimentos e informações dignos de agregarmos em nossas vidas. Então porque muitos ainda persistem em ficar na ignorância e recitar frases e/ou pensamentos intolerantes e muitas das vezes opressivos? Será que essas pessoas estão conseguindo cruzar a fronteira para o conhecimento?

A literatura em nenhum momento nos influencia para determinar e julgar as atitudes alheias, elas nos apresenta como as pessoas são diferentes, mesmo que as vezes de forma crucial. É necessário entendermos a mensagem de toda conclusão de história, mesmo que o final seja terrivelmente ridículo, no fundo contém uma mensagem positiva, basta um pouco de interpretação de todo o contexto e as propostas levantas pelo(a) escritor(a).

Não deixe a negatividade e a opressão determinar as suas atitudes. Seja positivo e tolerante, é isso que uma grande parcelas dos títulos nos ensina.

É válido lembrar que essa coluna é para reflexão de como a charge tem uma mensagem completamente distorcida do que a literatura pode realmente mudar em nossas vidas.

Comentários

  • Marcão Knight

    Olha, eu acho que nem sempre a roupa pode ser diferente pelos livros que vc lê. O gosto pode ser independente da roupa que vc usa. É feio eu olhar pra uma mulher com roupa decotada e falar “ah, aquela ali do jeito que está vestindo deve ser uma vagabunda”. Aí eu olho pra uma com roupa mais formal e penso “deve ser boa moça”. Pode ser totalmente o contrário porque eu não conheço ambas e outros fatores podem influenciar a vestimenta.

  • Jenny Rugeroni

    Em relação à imagem… Já vivenciei situações em que a minha competência foi colocada em dúvida por causa da aparência. A loira aqui tem duas faculdades, passou num dos concursos públicos mais concorridos do Brasil e le em média um livro por semana. Mas a maioria das pessoas julga apenas o superficial.